Líder oposicionista egípcio faz greve de fome na prisão

Ayman Nour, líder da oposição que ficou em segundo lugar nas últimas eleições presidenciais do Egito, começou nesta quarta-feira uma greve de fome na prisão para protestar contra maus-tratos, informa o jornal "Al-Ghad", de seu partido. Nour, de 42 anos, foi condenado em dezembro passado a cinco anos de prisão pela falsificação de assinaturas para a legalização de seu partido. O ex-candidato alega inocência no caso. O jornal, que possui o mesmo nome do partido de oposição, explica que Nour "decidiu fazer uma greve de fome devido, entre outras coisas, ao fato de não poder receber visitas" na prisão. Nour foi segundo colocado nas primeiras eleições presidenciais da história do Egito realizadas com mais de um candidato, registradas em setembro último e nas quais o presidente Hosni Mubarak, que governa desde 1981, ficou com mais de 86% dos votos.

Agencia Estado,

08 Março 2006 | 06h35

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.