Líder opositor anuncia que voltará para o Zimbábue no sábado

Morgan Tsvangirai, vencedor do 1.º turno das eleições, tinha saído do país temendo um plano para assassiná-lo

Efe,

22 de maio de 2008 | 10h34

O líder da oposição do Zimbábue, Morgan Tsvangirai, anunciou nesta quinta-feira, 22, que no sábado voltará ao seu país para liderar a campanha eleitoral para o segundo turno das eleições presidenciais. Tsvangirai fez o anúncio ao se reunir com centenas de emigrantes zimbabuanos em um bairro pobre de Johanesburgo para expressar sua solidariedade para com os ataques xenófobos que sofreram nos últimos dias.   Veja também: Inflação no Zimbábue supera 1.000.000% ao ano, diz analista Oposicionista no Zimbábue acusa plano para matá-lo Zimbábue anuncia segundo turno eleitoral para 27 de junho   Tsvangirai, que deixou o Zimbábue após as eleições gerais de 29 de março, tinha anunciado seu retorno para o fim de semana passado, mas o adiou porque, segundo denunciou seu partido, havia em curso um plano para assassiná-lo.   Em sua mensagem, reproduzida por emissoras locais, Tsvangirai disse que esta onda de violência está motivada, entre outras razões, pelo aumento dos emigrantes zimbabuanos por causa da crise econômica sofrida pelo país, a mais grave de sua história.   "Todos somos africanos", acrescentou o presidente do Movimento para a Mudança Democrática (MDC) ao expressar a necessidade de que os cidadãos do continente se apóiem mutuamente em situações de crise.   Em 27 de junho, Tsvangirai enfrentará no segundo turno das eleições presidenciais Robert Mugabe, no poder desde 1980 e líder do partido governante União Nacional Africana do Zimbábue-Frente Patriótica (Zanu-PF), que ficou em segundo lugar no pleito de 29 de março.   A violência xenófoba citada por Tsvangirai começou no início da semana passada e até quarta-feira à noite tinha deixado 42 mortos, segundo a última apuração oficial da polícia. Os distúrbios continuaram nas últimas horas em zonas dispersas, mas com menor intensidade que nas datas anteriores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.