Líder opositor é executado em Bangladesh

Bangladesh executou, nesta quinta-feira, o líder opositor Abdul Quader Mollah por crimes de guerra, horas depois de o Supremo Tribunal ter receitado um pedido de apelação da sentença. A morte pode dar início a novos episódios de violência, semanas antes das eleições, marcadas para 5 de janeiro.

Agência Estado

12 de dezembro de 2013 | 15h45

O xeque Yousuf Harun, administrador-chefe do governo de Daca, a capital, disse que Mollah foi enforcado às 22h01(horário local). O partido islâmico ao qual o réu pertencia, o Jamaat-e-Islami, convocou uma greve geral para domingo.

Mollah, de 65 anos, foi condenado por crimes cometidos durante a guerra pela independência do país contra o Paquistão, em 1971. Ele foi a primeira pessoa a ser executada pelos tribunais especiais, instituídos pelo primeiro-ministro Sheikh Hasina em 2010, para julgar suspeitos de crimes cometidos durante a guerra pela independência.

O governo diz que soldados paquistaneses, auxiliados por colaboradores locais, mataram 3 milhões de pessoas e estupraram 200 mil mulheres durante a guerra, que durou nove meses.

A maior parte dos réus é de membros da oposição. O partido de Mollah e o Partido Nacionalista de Bangladesh dizem que os julgamentos são uma tentativa de enfraquecer a oposição e eliminar os partidos islâmicos, acusação negada pelo governo. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Bangladeshexecuçãooposição

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.