REUTERS/Jorge Silva
REUTERS/Jorge Silva

Líder opositor Leopoldo López dá detalhes sobre a detenção do presidente do Parlamento da Venezuela

Agentes de polícia teriam demonstrado interesse quando Juan Guaidó falou sobre a proposta de Lei de Anistia, disse o fundador do partido Vontade Popular em mensagem de áudio

Redação, O Estado de S.Paulo

14 de janeiro de 2019 | 16h05

CARACAS - O líder opositor Leopoldo López, em prisão domiciliar desde 2017, deu detalhes por mensagem de áudio de celular nesta segunda-feira, 14, sobre a detenção temporária do presidente do Congresso da Venezuela, Juan Guaidó. López é um dos fundadores do Vontade Popular, partido de Guaidó, para quem o líder é um mentor.

“Falei com Juan e ele comentou comigo o que ocorreu. Acredito ser preciso prestar muita atenção aos detalhes porque é relevante para tudo o que, estou certo, se está vivendo no mundo militar, policial e dos funcionários que apoiam a ditadura”, afirmou López no áudio.

Segundo ele, os agentes do Serviço Bolivariano de Inteligência Nacional (Sebin) tentaram colocar as algemas em Guaidó, que se negou a colocá-las por ser o presidente da Assembleia Nacional (AN) da Venezuela, a “única autoridade legítima”, relembrou López. O Congresso venezuelano é o único órgão do país controlado pela oposição.

“Logo, (ele) começou a falar sobre anistia, de uma busca por reconciliação e me contou que (os supostos militares) prestaram muita, muita atenção”, comentou López, acrescentando que os agentes mudaram a postura e ficaram menos agressivos.

“Algo muito importante é que (os policiais) perguntaram se o que está ocorrendo no país é constitucional e ele explicou a eles qual o fundamento constitucional do ato, então os policiais tomaram a decisão de libertá-lo”, conta López, dizendo que a atitude parece mostrar “muita fragilidade na cadeia de comando (militar)”.

López afirma que a oposição venezuelana precisa esclarecer a proposta da Lei de Anistia que será apresentada na Assembleia Nacional. “Os companheiros precisam trabalhar nisso o mais rápido possível para apresentar o quanto antes na Assembleia”, disse.

Sobre Guaidó, López disse que está orgulhoso. Que o jovem deputado, alçado a presidente da Assembleia no último dia 5, está “com a mensagem onde tem de estar, com a convicção onde deve estar.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.