Carlos Garcia Rawlins/Reuters
Carlos Garcia Rawlins/Reuters

Líder opositor que ajudou a derrubar Evo anuncia candidatura presidencial na Bolívia

Luis Fernando Camacho, peça-chave nos protestos que resultaram na renúncia do líder cocaleiro, divulgou em carta sua decisão de concorrer ao cargo

Redação, O Estado de S.Paulo

30 de novembro de 2019 | 13h47

LA PAZ - O líder cívico de direita Luis Fernando Camacho, peça-chave na renúncia do agora ex-presidente boliviano Evo Morales, anunciou formalmente sua decisão de concorrer à presidência nas próximas eleições, previstas para janeiro, mas ainda sem data.

Para Entender

A luta de poder na Bolívia: Jeanine Áñez no gabinete contra Evo Morales exilado no México

Presidente interina precisa obter reconhecimento, organizar eleições, além de estabilizar e reconstruir o país após semanas de protestos violentos; enquanto isso, ex-mandatário promete manter papel ativo na política boliviana

Em carta pública, Camacho usou dois argumentos para justificar sua decisão: "Quero que Evo Morales, (o ex-vice-presidente) Alvaro García Linera e sua liderança de capangas nunca mais governem novamente" e "que o povo deixe de ser relegado a decisões públicas".

Camacho, líder cívico de Santa Cruz de la Sierra, a região mais próspera do país, antes negava sua intenção de concorrer à presidência. Agora, ele disse que o fazia para não enfraquecer o apoio popular à sua causa para tirar Evo do governo.

Até o momento, ainda não está claro por qual partido político Camacho concorrerá nas eleições nacionais.

Após o cancelamento das eleições de 20 de outubro por fraude, o governo interino boliviano convocou novas eleições gerais, que ainda não tem data porque os novos ministros do Tribunal Eleitoral, que organizará a votação, ainda não foram nomeados.

Não está descartado que Camacho forme uma chapa com Marco Pumari, líder cívico de Potosí, ao sul, que também ganhou notoriedade durante a revolta social que se seguiu às eleições.

Para Entender

Crise na Bolívia: A ascensão e queda de Evo Morales

Por que a gestão dele teve tanto destaque? Como ele mudou a nação sul-americana? A democracia corre perigo no país? Entenda essas e outras questões

Com discurso agressivo e forte conteúdo religioso, Camacho liderou os protestos sociais em Santa Cruz, exigindo inicialmente um segundo turno nas eleições, mas sua posição foi radicalizada para exigir a renúncia de Evo.

Ele foi a La Paz com o objetivo de entregar uma carta a Evo, mas os grupos relacionados ao ex-presidente o impediram de sair do aeroporto

Depois, com garantias das autoridades policiais da época, fez uma segunda tentativa. Em La Paz, também selou importantes alianças políticas que fortaleceram sua liderança e demandas.

Entre os as outras personalidades que anunciaram sua intenção de participar das próximas eleições estão o ex-presidente Carlos Mesa, que perdeu a votação cancelada para Evo, e o pastor evangélico coreano-boliviano Chi Hyung Chung. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.