Alexei Navalny via AP
Alexei Navalny via AP

Líder opositor russo diz no Twitter que foi detido novamente pela polícia

Alexei Navalni afirmou que os policiais o abordaram quando estava saindo do dentista; ele teria sido acusado de organizar uma manifestação não autorizada, mas a informação ainda não foi confirmada oficialmente

O Estado de S.Paulo

22 Fevereiro 2018 | 10h31

MOSCOU - O líder da oposição russa Alexei Navalni disse nesta quinta-feira, 22, ter sido detido pela polícia. Ele disse em sua conta no Twitter que foi abordado enquanto deixava o dentista. “Estão me levando para algum lugar”, escreveu. "Tinha dor em um molar e fui ao dentista. Saí de lá e surpresa, uma unidade da polícia: você está detido."

+ Polícia liberta líder opositor russo após protesto contra Putin

+ Líder opositor russo é detido durante manifestações contra Putin em Moscou

A informação foi confirmada pelo advogado do opositor. Pouco depois, Navalni tuitou que foi levado à delegacia e acusado de organizar uma manifestação não autorizada. Contudo, a informação ainda não foi confirmada oficialmente.

+ Principal opositor de Putin fica inelegível até 2028

+ Sem rival, Putin abre caminho para completar 24 anos no poder na Rússia

O opositor convocou para domingo uma marcha em razão do terceiro aniversário do assassinato do político Boris Nemtsov, baleado no dia 27 de fevereiro de 2015 em uma ponte a poucos metros do Kremlin.

No começo do mês, Navalni foi convocado a prestar depoimento pelo Comitê de Instrução da Rússia por supostamente agredir um policial durante sua detenção no dia 28 de janeiro em um protesto antigoverno no centro de Moscou.

Invalidado como candidato presidencial por ter antecedentes penais, o opositor foi liberado poucas horas depois. Mas agora as autoridades da capital russa podem abrir um caso penal por agressão a um membro das forças da ordem.

"Segundo dados preliminares, em 28 de janeiro durante a detenção de Navalni e seus partidários no centro de Moscou (...), vários policiais sofreram lesões", informaram as autoridades.

Navalni convocou o protesto de janeiro para apoiar a "greve de eleitores", iniciativa opositora destinada a boicotar as eleições presidenciais de 18 de março.

Ainda nesta quinta-feira, também foi detido o chefe do comitê eleitoral do líder opositor, Leonid Volkov, no Aeroporto de Sheremetyevo, quando iria viajar à região de Ufa para se reunir com seus partidários.

A Justiça russa ordenou recentemente a dissolução da fundação que administra a campanha eleitoral de Navalni, "Quinta Estação", que se dedica, entre outras coisas, a arrecadar fundos para o opositor. / REUTERS, AP e EFE

Mais conteúdo sobre:
Rússia Alexei Navalni

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.