Líder opositor se diz satisfeito com negociação no Zimbábue

Tsvangirai afirma que data-limite de segunda-feira para o fim das conversas com Mugabe não é 'inflexível'

Reuters,

31 de julho de 2008 | 15h57

O líder oposicionista Morgan Tsvangirai disse nesta quinta-feira, 31, estar "satisfeito" com as negociações com o presidente zimbabuano Robert Mugabe para terminar a crise política do país e que a data-limite de segunda-feira, 4, não era "inflexível". Tsvangirai afirmou que as conversas devem ser retomadas com o partido ZANU-PF no domingo, como previsto. Veja também:Diálogo para governo partilhado não foi suspenso, diz MugabeZimbábue corta 10 zeros da moeda para enfrentar hiperinflação As negociações para o poder compartilhado começaram na semana passada, depois da pressão internacional iniciada após a eleição que reelegeu Mugabe para o 6.º mandato, altamente criticada por várias nações. "Estou razoavelmente satisfeito, mas, como em qualquer negociação, há pontos que devem ser solucionados", declarou Tsvangirai à imprensa em Dakar, após se encontrar com o presidente senegalês Abdoulaye Wade.  A data-limite de 4 de agosto para o término da negociação foi determinada no início das conversas, em 21 de julho. "Duas semanas pode parecer muito pouco, mas isso não é inflexível", acrescentou o líder opositor. O presidente sul-africano Thabo Mbeki está mediando a negociação. A disputa política no Zimbábue exacerbou a crise econômica do país, que causa hiperinflação e falta de alimentos, forçando milhões de zimbabuanos a fugirem para países vizinhos. Tsvangirai venceu o primeiro turno das eleições presidenciais em março. Na segunda votação, ele se retirou, alegando violentos ataques a seus apoiadores. Segundo a oposição, mais de 120 de seus militantes foram mortos em uma campanha de intimidação do governo do país. Mugabe, que governa o Zimbábue desde 1980 e deseja prosseguir com seu novo mandato de cinco anos, disse na quarta-feira que as negociações estão indo bem.

Tudo o que sabemos sobre:
Zimbábue

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.