Tatyana Zenkovich/EFE
Tatyana Zenkovich/EFE

Líder opositora da Bielo-Rússia é detida ao tentar cruzar a fronteira com a Ucrânia

Na segunda-feira, 7, ativistas afirmaram que Maria Kolesnikova havia sido detida por dois homens encapuzados em Minsk, mas a polícia local nega

Redação, O Estado de S.Paulo

08 de setembro de 2020 | 04h49

MOSCOU - Maria Kolesnikova, importante líder opositora da Bielo-Rússia, foi detida ao tentar entrar na Ucrânia na madrugada desta terça-feira, 8, disse à Reuters um oficial do controle da fronteira, um dia após seus aliados afirmarem que ela foi "sequestrada" por dois homens encapuzados e não identificados. 

As circunstâncias da tentativa de viagem para a Ucrânia ainda não foram esclarecidadas, com alguns veículos de imprensa sugerindo inicialmente que ela tinha conseguido cruzar a fronteira, o que guardas dos dois países negaram. 

O movimento de oposição disse na segunda-feira, 7, que Maria Kolesnikova foi detida em Minsk e levada em um veículo. Dois outros ativistas teriam desaparecido logo depois. 

Os dois aliados conseguiram chegar à Ucrânia nas primeiras horas desta terça-feira, confirmou o serviço de guarda fronteiriço. 

"Kolesnikova foi detida, não posso dizer concretamente aonde ela está, mas foi detida", Anton Bychkovsky, representante do serviço de fronteira da Bielo-Rússia disse à Reuters por telefone. 

A agência de notícias estatal divulgou que o carro de Kolesnikova acelerou de maneira brusca ao ser confrontado por um guarda da fronteira.

"Kolesnikova estava fora do veículo. Na verdade, ela foi empurrada dele enquanto o carro continuou seguindo em direção à Ucrânia", disse a agência. 

A polícia de Minsk afirma que não deteve a ativista na segunda-feira, 7./REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.