Líder paquistanês diz que respeitará votação

O presidente do Paquistão, general Pervez Musharraf, prometeu respeitar a decisão do povo no referendo que será realizado nesta terça-feira sobre a ampliação de seu mandato por cinco anos - uma consulta rejeitada por quase todas as forças políticas do país, incluindo a islâmica Jamiat-e-Islami. Dos 140 milhões de habitantes, mais de 70 milhões de paquistaneses irão às urnas decidir o futuro do general. Musharraf, que assumiu o poder em um golpe de Estado em outubro de 1999, prometeu que a votação convocada por ele mesmo será "livre, honesta e transparente". Musharraf, um aliado-chave na guerra dos Estados Unidos contra o terrorismo, anunciou o referendo no início do mês de abril, durante um discurso em rede nacional de televisão. O referendo estabelecerá o controle de Musharraf em antecipação às eleições de outubro para as duas casas do Parlamento, que, de acordo com a constituição paquistanesa, elegem o presidente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.