AFP
AFP

Líder político do Taleban negocia formação de governo

Abdul Ghani Baradar está em Cabul para discutir com ex-líderes do governo, comandantes de milícias locais, legisladores e acadêmicos religiosos no país

Redação, O Estado de S.Paulo

21 de agosto de 2021 | 12h05

CABUL - Abdul Ghani Baradar, considerado o principal líder político do Taleban, chegou neste sábado (21) à capital Cabul enquanto o grupo islâmico estuda a formação do novo governo.

Baradar, que atuou como negociador nas conversações de paz em Doha, no Catar, e é o provável próximo líder do Afeganistão, está na capital para consultar "seus amigos" sobre "que tipo de governo haverá em Cabul", disse Zabihullah Mujahid, membro do Taleban, a The Washington Post, acrescentando que nenhuma decisão ainda foi tomada sobre a forma que ele terá.

Um alto funcionário do Taleban disse à Agence France-Presse Baradar que se reuniria com "líderes e políticos jihadistas para discutir uma estrutura de governo inclusiva". Baradar está se reunindo com ex-líderes do governo, comandantes de milícias locais, legisladores e acadêmicos religiosos no país, disse um membro do Taleban à Reuters, enquanto o meio de comunicação informava que o grupo estava planejando revelar um novo modelo de governar o país nas próximas semanas que "proteja os direitos de todos”, mesmo que não seja uma democracia pela definição ocidental.

Baradar, que foi cofundador do Taleban em 1994 e foi preso no Paquistão em 2010 em uma operação conjunta com os Estados Unidos, está no Afeganistão desde terça-feira, depois que o Taleban assumiu o poder.

Um comandante do Taleban declarou esta semana que o grupo governaria pela lei islâmica, a sharia. O grupo aplicou uma interpretação severa da lei islâmica quando controlou o país pela última vez de 1996 a 2001, e houve vários relatos recentes de militantes caçando afegãos que podem ter trabalhado com forças estrangeiras, espancando afegãos que tentavam chegar ao aeroporto de Cabul e impedindo mulheres de entrar em seus locais de trabalho ou escolas.

Ninguém sabe exatamente quantos anos Baradar tem — esta é apenas uma das muitas perguntas abertas a seu respeito. Agora, talvez o mais urgente: como alguém que passou sua última década entre uma prisão paquistanesa e um hotel de luxo em Doha governará um país onde todas as estruturas do Estado evaporaram da noite para o dia?

Baradar era amigo íntimo do fundador do Taleban, Mohammad Omar. Ambos lutaram contra a invasão soviética do Afeganistão e ascenderam ao poder político após a retirada soviética. No final da década de 1990, Baradar foi governador do Taleban em várias províncias e era um dos líderes que presidiam um regime que exercia o poder por meio da repressão e da violência.

Em 2001, quando os Estados Unidos invadiram o Afeganistão e começaram a bombardear a Al Qaeda e o Taleban, foi Baradar quem negociou a rendição do Taleban com Hamid Karzai, que logo seria empossado como presidente do país. 

O ex-presidente afegão Hamid Karzai e Abdullah Abdullah, um alto funcionário do governo deposto, se encontraram neste sábado com o governador em exercício do Taleban de Cabul. Abdullah disse em um tweet que a prioridade é “proteger a vida, a propriedade e a dignidade dos cidadãos da capital”. Karzai e Abdullah também se encontraram com outros líderes do Taleban nos últimos dias, no que o porta-voz de Karzai descreveu anteriormente como um passo em direção às negociações com Baradar. / WASHINGTON POST

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.