Líder quer renovar imagem americana

Obama promete incluir tolerância no discurso de posse e visitar país islâmico

Christi Parsons, John Mccormick e Peter Nicholas, Los Angeles Times, O Estadao de S.Paulo

11 de dezembro de 2008 | 00h00

Barack Obama diz que sua presidência será uma oportunidade para os EUA divulgarem uma mensagem de tolerância. Ele pretender começar a transmitir tal mensagem em seu primeiro dia no cargo e avançar até um discurso grandioso, que planeja fazer em breve em uma capital islâmica a ser definida. Quando prestar o juramento de posse em 20 de janeiro, ele espera ser chamado da mesma maneira que os presidentes anteriores: por seu nome completo, Barack Hussein Obama. Durante a campanha, detratores de Obama com freqüência invocaram seu nome do meio na tentativa de retratá-lo como muçulmano. Obama, cristão, não se importa. "O tradicional é o uso dos três nomes e vou seguir a tradição.""Acho que temos uma oportunidade única de renovar a imagem dos EUA diante do mundo todo e diante do mundo muçulmano em especial", disse Obama na terça-feira, prometendo ser "implacável" em sua busca por "criar um relacionamento de respeito mútuo e parceria entre os países e povos de bem que queiram ver seus cidadãos e os nossos prosperando juntos". Na primeira entrevista concedida a um jornal desde sua eleição, em 4 de novembro, Obama detalhou sua estratégia para o primeiro ano de presidência e refletiu a respeito de seu papel como primeiro negro eleito presidente nos EUA. Disse que o país precisa aproveitar a oportunidade e revitalizar as relações por todo o globo, por meio de uma diplomacia que enfatize a inclusão e a tolerância, mantendo sua posição resoluta contra o terrorismo. Apesar de os eventos mundiais e as questões econômicas terem acrescentado desafios ainda maiores a sua agenda presidencial, Obama manteve-se bem assessorado quanto ao melhor modo de fazer avançar seus planos. "Minha equipe econômica vai preparar um pacote de medidas sobre o comércio e as questões trabalhistas", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.