Líder queria lei mais abrangente

A reforma da saúde está longe de garantir acesso universal aos serviços de saúde aos cidadãos dos EUA, como acontece em vários países europeus. Esse era o objetivo original de Barack Obama, convencido por seus colaboradores a reduzir suas ambições e aprovar uma lei que garantisse, pelo menos, a assistência aos menos favorecidos.

O Estado de S.Paulo

29 de junho de 2012 | 03h06

Mesmo sem cobrir todos os cidadãos, sua proposta foi apontada como "socialista" pelos setores mais radicais republicanos, como o Tea Party. Nos seus três anos e meio de mandato, Obama defendeu a reforma sob os pontos de vista da Justiça social e da redução futura de gastos públicos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.