Líder rebelde congolês diz que seu exército não come pessoas

O líder de um grupo rebelde congolês apoiado por Uganda rejeitou nesta segunda-feira as acusações de que seus comandados estariam envolvidos em atos de canibalismo.Roger Lumbala, líder do grupo Movimento Congolês pela Democracia-Nacional (conhecido pelas iniciais RCD-N), garantiuque todas as áreas sob seu controle são seguras. "A RCD-Nacional, as pessoas subordinadas a ela e seu exército não comem pessoas", garantiu Lumbala em Kampala, capital de Uganda.A RCD-N controla uma parte do nordeste do Congo onde investigadores da Organização das Nações Unidas (ONU) encontraram evidências de canibalismo, estupro, assassinato etortura.Os crimes teriam sido cometidos pela RCD-N e por um outro grupo rebelde, o Movimento de Libertação Nacional (MLC), segundo as acusações.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.