Líder rebelde curdo afirma que grupo pode abandonar armas

Murat Karayilan oferece cessar-fogo à Turquia sob determinadas condições.

BBC Brasil, BBC

20 de julho de 2010 | 23h48

O líder do grupo rebelde curdo PKK (Partido dos Trabalhadores do Curdistão), Murat Karayilan, afirmou à BBC que a organização pode abandonar a luta armada que já dura décadas contra o governo da Turquia em troca de maior reconhecimento político e cultural para os curdos no país.

Em entrevista exclusiva à BBC em um acampamento secreto na região do Curdistão iraquiano, Karayilan afirmou que pode ordenar que o grupo abandone as armas sob a supervisão das Nações Unidas caso a Turquia aceite um acordo de cessar-fogo sob determinadas condições.

Considerado um grupo terrorista por Turquia, Estados Unidos e União Europeia, o PKK mantém uma guerra de guerrilha contra o governo turco há 26 anos.

Entre as demandas do grupo para abandonar a luta armada estão o fim dos ataques contra civis curdos e da prisão de políticos da etnia no leste da Turquia.

O grupo também reivindica maiores direitos culturais e linguísticos aos curdos, que, de acordo com algumas estimativas, totalizam um quinto da população da Turquia.

"Se a questão curda for resolvida de maneira democrática, pelo diálogo, nós abandonaremos nossas armas", disse Karayilan.

O líder do PKK, no entanto, fez ameaças, caso o governo turco não aceite suas demandas.

"Se o governo turco se recusar a aceitar, nós teremos que proclamar nossa independência".

Conflito

Um eventual acordo de cessar-fogo entre as duas partes representaria um grande avanço no sentido de acabar com o conflito que teve início em 1984 e já matou cerca de 40 mil pessoas.

Mas uma declaração unilateral de independência pode ser interpretada pela Turquia como uma provocação por parte de uma organização considerada terrorista.

Enquanto isso, o PKK continua a lançar ataques contra alvos turcos a partir de suas bases no Iraque.

Nos últimos meses, a Turquia respondeu com ataques aéreos e até incursões de forças terrestres em território iraquiano.

Em relação à oferta do grupo curdo, uma autoridade turca afirmou que não é comum "comentar declarações feitas por terroristas".BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.