Líder religioso muçulmano pede um minuto de silêncio por vítimas nos EUA

Ao participar de um congresso sobre ética e valores universais, em São Paulo, o xeque Muhammad Ragip líder religioso muçulmano, pediu um minuto de silêncio em homenagem às vítimas dos atentados nos Estados Unidos.Logo em seguida, advertiu: não se pode atribuir a todo o Islã a responsabilidade pela violência. A generalização pode levar a uma onda de discriminação contra a comunidade muçulmana.O xeque Ragip é um brasileiro convertido ao islamismo. Representa no Brasil a Sufi Halveti Jerrahi, ordem tradicional de dervixes sediadas em Istambul, Turquia. Ele fez a advertência pela manhã, no debate sobre diversidade religiosa, dentro do Congresso Valores Universais e o Futuro da Sociedade, promovido pelo Instituto Palas Athena.Na mesma ocasião lembrou que, segundo o Alcorão, o livro sagrado dos muçulmanos, matar uma pessoa é o mesmo que cometer um assassinato contra toda a humanidade.Em todo o mundo há cerca de 1,3 bilhão de pessoas que seguem o Alcorão. É impossível imaginar, afirmou o xeque, que todas sejam coniventes com os atos de violência praticados por uma minoria.O preconceito contra os muçulmanos pode crescer nos Estados Unidos, segundo Ragip. No Brasil, a mídia tem se esforçado para esclarecer as diferenças, acrescentou. O congresso, que se realiza no Sesc da Vila Marina, prossegue nesta quarta-feira, com palestras e debates.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.