Ethan Miller/Getty Images/AFP
Ethan Miller/Getty Images/AFP

Líder republicano no Congresso admite possibilidade de Trump ser candidato

Em entrevista ao canal MSNBC, Kevin McCarthy afirmou que Trump tem 'mais de 50% de chance de ser o indicado'; deputado disse que apoiará o magnata na Câmara se ele for nomeado pelo partido

O Estado de S. Paulo

23 de fevereiro de 2016 | 10h09

WASHINGTON - O líder da maioria republicana na Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, Kevin McCarthy, admitiu que existe uma grande possibilidade de que o magnata Donald Trump seja o candidato do partido nas eleições presidenciais de novembro.

"A maior vantagem é para Trump. Acho que há mais de 50% de chance de que ele seja o indicado. E creio que muita gente também começa a acreditar nisso", disse McCarthy em entrevista no canal MSNBC, na qual reduziu a disputa republicana a uma batalha entre o magnata e o senador pela Flórida Marco Rubio.

O republicano também garantiu que trabalhará no Congresso para Trump, caso o magnata seja o indicado, assim como faria com qualquer outro candidato que fosse eleito.

As palavras de McCarthy, que além de ser o líder da maioria republicana foi cogitado no ano passado para ser o presidente da Câmara, mostram uma assimilação cada vez maior por parte do establishment do partido de que é provável que Trump seja o candidato.

McCarthy, representante pela Califórnia, não hesitou em estabelecer um paralelismo entre a campanha do magnata e a realizada por Arnold Schwarzenegger nesse estado em 2003. Para o legislador, as duas são baseadas na popularidade dos personagens que, no caso do ator austríaco, o levou ao governo do Estado.

"Há muitas similaridades, inclusive no fato de que Trump foi substituído em 'The Apprentice' (O Aprendiz) por Arnold", disse McCarthy, em referência ao popular programa transmitido pela emissora de americana NBC, que o magnata protagonizou durante anos. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.