Amr Alfilky/NYT
Amr Alfilky/NYT

Líder republicano no Senado propõe adiamento de impeachment de Trump

Mitch McConnell quer dar ao ex-presidente tempo para montar uma defesa

Redação, O Estado de S.Paulo

21 de janeiro de 2021 | 23h20

O líder republicano no Senado, Mitch McConnell, pediu que o início do julgamento de impeachment de Donald Trump seja adiado até o próximo mês para dar ao ex-presidente tempo para montar uma defesa. McConnell indicou em um comunicado que enviou sua proposta de plano ao líder da maioria no Senado, Chuck Schumer, e irá "discuti-la com ele".

"O gabinete da presidência e o próprio ex-presidente Trump merecem um processo completo e justo que respeite seus direitos e as sérias questões factuais, legais e constitucionais em jogo", afirmou. "Dada a velocidade sem precedentes do processo da Câmara, nosso cronograma proposto para as fases iniciais inclui uma quantidade modesta e razoável de tempo adicional para ambos os lados reunirem seus argumentos antes que o Senado comece a ouvi-los", concluiu McConnell.

No cronograma, McConnel pede que o caso comece no dia 28 de fevereiro, ao que se segue uma semana para que Trump responda. A partir de então, há um briefing pré-julgamento, ao qual o ex-presidente também teria uma semana para responder, somando duas semanas para preparação da defesa.

A proposta veio após um importante aliado de Trump, o senador Lindsey Graham, revelar que o ex-presidente já havia contratado um advogado de defesa para o julgamento: Butch Bowers, de Columbia, conhecido por seu papel proeminente no litígio de questões políticas e eleitorais para os republicanos da  Carolina do Norte e da Carolina do Sul.

O porta-voz de Trump, Jason Miller, confirmou o papel de Bowers como consultor jurídico de Trump nesta quinta-feira. "Butch é muito respeitado tanto pelos republicanos quanto pelos democratas e fará um excelente trabalho defendendo o presidente Trump", disse ele.

Os democratas do Senado - que obtiveram a maioria na quarta-feira, 20, com a posse de três novos senadores e da vice-presidente Kamala Harris - não responderam imediatamente à proposta de McConnell. Mas há razões para acreditar que eles seriam receptivos a um adiamento, dada a necessidade de o Senado processar as indicações para o gabinete do presidente Biden.

A porta-voz democrata Nancy Pelosi não deu uma indicação percisa de quando a resolução de impeachment seria enviada da Câmara ao Senado. /Com Washington Post

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.