Líder socialista diz que Aznar mentiu sobre atentados

O líder dos socialistas no parlamento espanhol, Alfredo Pérez Rubalcaba, acusou o governo anterior, de José María Aznar, de culpar o grupo separatista basco ETA pelos atentados de Madri sabendo que isso era mentira, para vencer as eleições nacionais de três dias depois. "Foi uma operação de desinformação a serviço de um interesse eleitoral", afirmou Rubalcaba em seu testemunho diante da comissão que investiga os ataques terroristas de 11 de março, que mataram 191 pessoas e feriram cerca de 1.600."O governo disse muitas coisas desencontradas naqueles dias. Não tentou informar, mas tentou convencer os espanhóis e o mundo de que o atentado havia sido de autoria do ETA", disse Rubalcaba. "Escondeu informações relevantes sobre os atentados". O Partido Popular de Aznar perdeu as eleições para os socialistas em 14 de março, numa votação que vem sendo considerada uma punição contra os conservadores por seu apoio à invasão do Iraque."Não foi o ETA. O atentado foi cometido pelo terrorismo islâmico. O governo tinha necessidade de dizer que era o ETA", afirmou o líder socialista. Também em depoimento à comissão, a ex-chanceler espanhola Ana Palacio afirmou, por sua vez, que o governo "disse a verdade com toda a diligência de que foi capaz naquele momento". "Atuou com honestidade e transparência", disse Palacio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.