Líder sudanês vai à Líbia em tour desafiando o tribunal de Haia

Este é o 3º país não-signatário do Tribunal Internacional que Bashir visita após ordem de prisão por Darfur

Efe e Associated Press,

26 de março de 2009 | 10h55

O presidente sudanês, Omar al-Bashir, viajou à Líbia nesta quinta-feira, 26, em um nova visita a países da região, desafiando a ordem de detenção contra ele que foi emitida pelo Tribunal Penal Internacional (TPI), informaram fontes oficiais.

 

Relatórios iniciais indicavam que o presidente sudanês viajaria ainda nesta quinta mesmo à Etiópia, mas as fontes disseram que, por fim, decidiu visitar Trípoli para se reunir com o líder líbio, Muammar Kadafi, que exerce atualmente a Presidência rotativa da União Africana, da qual o Sudão faz parte.

 

Durante sua visita à Líbia, as fontes disseram que Bashir analisará com Kadafi temas vinculados ao conflito em Darfur, que explodiu em fevereiro de 2003 e que já causou cerca de 300 mil mortes. Também analisarão a situação colocada depois que o TPI emitiu, em 4 de março, uma ordem de detenção contra Bashir e o acusasse de crimes de guerra e de contra a humanidade por seu papel no conflito armado em Darfur.

 

Antes da viagem à Líbia, Bashir visitou nos últimos dias a Eritreia e o Egito. Nenhum destes países é signatário do tratado que criou o TPI. A carta do TPI determina que os países signatários devem deter pessoas contra as quais pesem mandados internacionais de prisão caso elas entrem em seus territórios.

 

De acordo com estimativas da Organização das Nações Unidas (ONU), mais de 300.000 pessoas morreram e cerca de 2,7 milhões foram obrigadas a fugir desde o início do conflito, em 2003. A violência começou quando integrantes de tribos africanas da região pegaram em armas e rebelaram-se contra o governo sudanês. As tribos africanas queixam-se de décadas de negligência e discriminação. O governo iniciou então uma contrainsurgência durante a qual uma milícia árabe pró-Cartum cometeu atrocidades contra a comunidade africana.

Tudo o que sabemos sobre:
SudãoDarfur

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.