Líder supremo ordena revisão em situação eleitoral no Irã

O líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamanei, ordenou pela segunda vez que o Conselho dos Guardiães faça uma revisão dos vetos às candidaturas de milhares de reformistas, incluindo 80 deputados, nas eleições do dia 20. A decisão é mais uma tentativa de Khamenei de pôr fim à grave crise política que opõe o Conselho - órgão conservador cujos membros são nomeados por ele - ao Parlamento, eleito pela população e dominado pelos reformistas.Todas as decisões do Parlamento têm de ser submetidas ao Conselho, que só se reporta ao aiatolá, que tem a palavra final em todas as questões do Estado. Khamenei rejeitou, porém, a proposta de adiar a realização do pleito em 20 de fevereiro, como exigem dezenas de deputados e vários ministros.O próprio presidente Mohammad Khatami - eleito com base numa plataforma pró-reformas - fez o pedido ao aiatolá. Segundo o porta-voz de Khamenei, Abdollah Ramezanzadeh, ele concordou em ordenar novamente a revisão das desqualificações depois de uma reunião com o presidente, na terça- feira.Mais de 120 deputados renunciaram a seus mandatos e o principal partido oposicionista, Frente de Participação Islâmica do Irã, anunciou na segunda-feira um boicote às eleições. Governadores de todos os Estados ameaçam deixar o cargo e se recusam a permitir a realização da votação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.