Líder taleban aprova cessar-fogo em região fronteiriça

Os serviços secretos do Paquistão suspeitam que o líder máximo dos talebans, mulá Omar, aprovou o polêmico acordo de cessar-fogo assinado pelo governo paquistanês e militantes talebans da fronteira com o Afeganistão. Segundo disseram fontes dos serviços de inteligência paquistanesas, o mulá Omar assinou uma carta na qual expressa aprovação à trégua, obtida em 5 de setembro pelo Exército paquistanês e o movimento pró-taleban do Waziristão doNorte, região paquistanesa fronteiriça com o Afeganistão. Nesse acordo, as autoridades militares aceitaram a maioria das reivindicações dos rebeldes: a libertação de 165 de seus militantes, a devolução de armas e veículos apreendidos durante as operações militares e o desmantelamento de todos os postos de controle. Em troca, os rebeldes pró-talebans se comprometeram em suspender todos os ataques a instalações civis e militares na região, easseguraram às autoridades militares que não usarão a fronteira entre Paquistão e Afeganistão para lançar ataques sobre o territórioafegão, nem permitirão que ninguém o faça. A trégua foi criticada pelo presidente afegão, Hamid Karzai, por considerar que é excessivamente generosa e permite a atuação dos militantes talebans na fronteira, enquanto o Paquistão a defende como uma forma de lutar contra o terrorismo de forma global. Segundo as fontes de inteligência paquistanesas citadas, o mulá Omar enviou um de seu principais porta-vozes, o mulá Dadulá Akhund, para persuadir os militantes do Waziristão do Norte a assinarem oacordo de cessar-fogo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.