Líder ucraniano oferece soltar presos, limitar estado de sítio e mudar governo

KIEV - Um dia depois do fracasso nas negociações entre opositores e o governo da Ucrânia, o presidente Viktor Yanukovich propôs ontem uma série de concessões para frear os protestos da oposição, que ganharam força após a morte de cinco manifestantes na quarta-feira. Ele ofereceu libertar ativistas presos, reformar seu gabinete de governo e amenizar leis que criminalizam protestos.

EFE, AP e REUTERS, O Estado de S.Paulo

25 de janeiro de 2014 | 02h06

As concessões, de acordo com a agência russa Interfax, foram prometidas ontem durante reunião com líderes religiosos do país. Yanukovich disse a eles que uma sessão especial do Parlamento será convocada na terça-feira para levar adiante uma reforma ministerial, a anistia a dezenas de ativistas detidos e uma mudança na dura lei antiprotestos aprovada recentemente na Ucrânia.

"Farei tudo que puder para parar esse conflito, pôr um fim à violência e alcançar a estabilidade", disse Yanukovich, segundo seu gabinete.

A oposição, por sua vez, pediu por meio de nota, mediação internacional para a crise. "Qualquer discussão para pôr fim à crise deve ocorrer com mediadores internacional do mais alto nível", declarou em nota o partido Udar.

Os protestos foram motivados, inicialmente, por um acordo da Ucrânia, ex-república soviética de tradicional influência russa, com a União Europeia. Yanukovich desistiu do pacto, o que levou manifestantes às ruas. Os protestos cresceram ao longo de dois meses e transformaram-se em atos mais amplos contra a corrupção e a gestão do presidente.

Desde o fim de semana, quando Yanukovich aprovou leis mais duras contra os manifestantes, a situação agravou-se. Ontem, os protestos espalharam-se para outras cidades, como Lviv, Ternopil, Ivano-Frankivsk e Khmelnytski. Mais de 100 pessoas foram presas nos protestos.

Ocupação. Em Kiev, manifestantes levantaram mais barricadas nas ruas e ocuparam o prédio de um ministério, depois de desocupar a Praça da Liberdade de Kiev, onde começaram os protestos contra Yanukovich, em novembro.

Com máscaras e alguns carregando escudos policiais como troféus, os manifestantes montaram guarda enquanto outros empilhavam sacos de areia cobertos de neve ao longo de vias próximas à praça.

O líder da oposição Vitali Klitschko, depois de participar de uma segunda rodada de negociações com Yanukovich que terminou sem acordo na noite de quinta-feira, expressou temores de que o impasse agora possa levar a novo derramamento de sangue.

Ao menos três participantes de protestos foram mortos até agora, dois feridos a bala, depois de confrontos entre manifestantes liderados por radicais e policiais. "Horas de conversas foram gastas para nada. Não há sentido em sentar-se e conversar à mesa de negociações com alguém que já está decidido a enganar", disse Klitschko.

Notícias relacionadas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.