Líder xiita adverte para "graves problemas" no Iraque

O mais influente clérigo muçulmano xiita do Iraque advertiu sobre "novos graves problemas" se nada for feito para conter a proliferação de armas de fogo no país, e responsabilizou a fraqueza do governo central pelos recentes confrontos entre seus seguidores e partidários de um clérigo radical.O grão-aiatolá Ali Hussein al-Sistani, líder espiritual da maioria da comunidade xiita do Iraque, também avisou que "não pode haver substituto" para uma eleição geral, como meio de seleção dos delegados para uma assembléia constituinte, apesar de exigências dos EUA por uma rápido processo de seleção.Seus comentários foram uma resposta a perguntas escritas formuladas por repórteres e entregues a seu escritório em Najaf. Suas respostas, também por escrito, trouxeram o selo de seu escritório, significando que elas são consideradas declarações oficiais.A exigência de al-Sistani por ações contra a posse ilegal de armas soa como um pedido de ação contra o Exército do Imã al-Mahdi, uma milícia formada pelo clérigo radical Muqtada al-Sadr, cujos seguidores enfrentaram partidários de al-Sistani uma semana atrás, na cidade sagrada xiita de Karbala.Al-Sadr, um clérigo populista cuja mensagem tem apelo entre pobres e jovens xiitas mas que carece do peso da influência de al-Sistani, tem feito demonstrações de força, permitindo que seus milicianos marchassem com armas de fogo nas cidades sagradas de Najaf e Karbala, assim como num bairro de Bagdá dominado pelos xiitas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.