Líderes africanos devem retornar a Costa do Marfim

Os três presidentes de países da África ocidental encarregados de encerrar a crise política na Costa do Marfim vão retornar à capital Abidjã na semana que vem, informou hoje o governo de Cabo Verde.

AE, Agência Estado

29 de dezembro de 2010 | 12h19

Os líderes de Benin, Cabo Verde e Serra Leoa viajaram para a Costa do Marfim ontem para dizer ao presidente Laurent Gbagbo que ele deve ceder o cargo a seu rival, Alassane Ouattara, que venceu as eleições realizadas em novembro. Caso contrário, Gbagbo pode ser alvo de uma intervenção militar.

Hoje, os líderes foram para a Nigéria, onde se reuniram com o presidente Goodluck Jonathan, líder da Comunidade Econômica dos Estados da África Ocidental (Ecowas, na sigla em inglês), para relatar a ele os acontecimentos da missão e discutir o próximo passo do bloco.

"A missão dos chefes de Estado vai retornar à Costa do Marfim na próxima semana para manter os contatos e tentar concluir o processo de mediação", informou o escritório do presidente cabo-verdiano Pedro Pires, em comunicado enviado à agência France Presse. O documento diz que as "partes marfinenses" pediram a ele "tempo para refletir com o objetivo de encontrar uma forma viável de concluir o processo eleitoral, que é a única maneira de promover a paz e a estabilidade no país do oeste da África".

A afirmação difere da declaração feita pelo porta-voz de Ouattara após as negociações. Patrick Achi disse que Ouattara afirmou aos enviados que seu status de chefe de Estado "não é negociável" e pediu a eles que "retornem o mais rápido possível".

Tanto Gbagbo quanto Ouattara afirmam ter vencido o segundo turno da eleição presidencial, realizado em 28 de novembro. Mas Ouattara é reconhecido pela comunidade internacional, incluindo a Ecowas e a Organização das Nações Unidas (ONU).

As forças leais a Gbagbo continuam a dominar o sul do país, que abriga a maior indústria de exportação de cacau do mundo, e a capital comercial Abidjã, enquanto o governo paralelo de Ouattara está sitiado no interior de um hotel. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.