Jerome Delay/AP
Jerome Delay/AP

Líderes africanos pedem que rebeldes do Congo acabem com guerra

Grupo que se diz apoiado por Ruanda tomou Campala, capital congolesa, nesta semana

Reuters

24 de novembro de 2012 | 14h57

CAMPALA - Chefes de Estado da África pediram neste sábado, 24, aos rebeldes da República Democrática do Congo que parassem a guerra e deixassem a cidade de Goma, tomada pelo grupo nesta semana.

Os líderes se encontraram na capital de Uganda, Campala, para tentar encerrar o conflito, depois que rebeldes do M23 disseram que planejavam "libertar" o grande país do centro africano. M23 teria o apoio de Ruanda, mas o país nega.

O comunicado dos presidentes pede que o M23 pare de falar em derrubar o governo eleito e "interrompa todas as atividades de guerra e deixe Goma".

Jean-Marie Runiga, chefe político do M23, que tomou a cidade de Goma nesta semana, também estava em Campala, mas não disponível para comentar o assunto.

Não está claro se Runiga se encontrará com o presidente do Congo, Joseph Kabila.

Kabila e os presidentes da Tanzânia, Yoweri Museveni, e o do Quênia, Mwai Kibaki, participaram do encontro. O de Ruanda, Paul Kagame, não participou, mas a ministra das Relações Exteriores, Louise Mushikiwabo, representou o chefe de Estado.

Os líderes resolveram ter uma força da ONU em Goma para ocupar e dar segurança na zona neutra entre Goma e as regiões tomadas pelo M23.

Goma é sede de uma força da ONU que tem o objetivo de ajudar as tropas do governo a proteger civis.

O comunicado também disse que a polícia foi desarmada em Goma pelo M23, e que deve ser rearmada para continuar trabalhando.

(Por Elias Biryabarema)

Tudo o que sabemos sobre:
CONGOONUPRESIDENTES*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.