Líderes árabes enfrentam a ira de seus cidadãos contra guerra

Os líderes do mundo árabe e muçulmanoenfrentam neste domingo as iradas manifestações de seus cidadãosem protesto contra a guerra liderada pelos Estados Unidos contra o regimeiraquiano. Neste domingo, o jornal ad-Dustour, de Amã, a capitaljordaniana, publicou em sua primeira página uma foto do canal detelevisão árabe Al-Jazira de um menino iraquiano com a cabeçaferida. Os muçulmanos extremistas exigem uma guerra santa(jihad) contra o Ocidente e novas ações terroristas, além daruptura das relações diplomáticas com os EUA e o boicote contraos pordutos americanos e britânicos. Milhares de pessoas que gritavam "Morte aos EUA!"encheram as ruas de várias cidades do mundo islâmico,incentivados pelos sernões de seus imãs e outros líderesreligiosos. Na Arábia Saudita, onde seus dirigentes vigiam asmesquitas e o que é dito dentro delas, alguns clérigosutilizaram a Internet para exigir represálias violentas contraos EUA e seus aliados. Na Indonésia, o maior país muçulmano do mundo,extremistas islâmicos que protestavam contra a guerra disseramque matar o presidente George W. Bush seria legal segundo a leiislâmica, enquanto no Paquistão milhares de manifestantesrepetiam "Morte aos EUA!". Entre os setores mais moderados dos países árabes, queconsideram Saddam Hussein um tirano odioso que deveria renunciare abandonar o país, seus integrantes disseram que a invasão"preventiva" de tropas estrangeiras ao Iraque, sem que tenhahavido uma provocação, criará muito mais problemas do quesoluções. "O Iraque ganhou amplamente no primeiro assalto",disse Mustafá Hamarneh, cujo Instituto de Estudos Estratégicosna Universidade da Jordânia acompanha de perto as reações daopinião pública. "Os bombardeios têm um impacto tremendo naspessoas". Acrescentou que a resistência iraquiana em Umm Qsar e emoutras frentes elevou a estatura de Saddam e atraiu para ele asimpatia do mundo árabe por causa da agressão. Saddam -acrescentou - está sendo visto como um herói, e "agora osamericanos têm um grande problema em suas mãos".Veja o especial :

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.