Líderes da Al-Qaeda visitaram escola atacada pelo Paquistão

O segundo homem da organização terrorista Al-Qaeda, Ayman al-Zawahri, e o líder por trás da trama para explodir aviões transatlânticos entre a Grã-Bretanha e os Estados Unidos haviam freqüentado a escola religiosa destruída em um ataque aéreo paquistanês na segunda-feira, mas não estavam lá durante o bombardeio, disse uma fonte militar nesta terça-feira. A fonte não disse quando Zawahri ou o egípcio identificado como Abu Ubaida, líder operacional da Al-Qaeda no leste do Afeganistão, haviam visitado pela última vez a madraça da vila paquistanesa de Chingai, localizada no distrito de Bajur, a noroeste da capital. Cerca de 80 pessoas foram mortas nesta segunda-feira no local após um ataque das forças de segurança paquistanesas.As madraças são escolas - desde o ensino básico até o superior - nas quais as aulas são divididas entre o ensino do Alcorão e o currículo regular.Autoridades paquistanesas haviam dito que Abu Ubaida estava entre os vários membros da organização terrorista mortos, em janeiro, por um ataque aéreo americano na cidade de Damadola, perto de Chingai. O objetivo do ataque era atingir Zawahri, que não estava lá no momento. Porém, os comentários da fonte nesta terça-feira foram os primeiros a revelar que Abu Ubaida continua vivo. Esta também é primeira vez em que se torna púpblico que ele estaria por trás da trama, desvendada em agosto, para explodir aviões que sairiam de Londres com destino aos EUA. Autoridades do Paquistão haviam previamente sugerido que um membro da Al-Qaeda tinha organizado a trama de Londres, mas a identidade do suspeito não tinha sido revelada até esta terça-feira."A madraça que foi alvejada em Bajur era freqüentemente visitada pelo líder da Al-Qaeda Zawahri e pela mente por trás da trama de Londres, Abu Ubaida al-Masri (o egípcio)", disse um agente de segurança, o qual falou sob condição de anonimato devido ao teor sensível da informação. A fonte disse que os ataques de segunda-feira, conduzidos por helicópteros militares paquistaneses, não queriam atingir alvos de alto valor, e sim destruir um campo de treinamento terrorista. Residentes locais e líderes islâmicos disseram que alunos inocentes e professores foram mortos. O agente também disse que Rashid Rauf, um muçulmano britânico de origem paquistanesa detido em Londres devido à trama terrorista, permaneceu sob custódia do Paquistão e ainda estava sendo interrogado sobre suas conexões com Abu Ubaida.Islamabad ainda considera um pedido britânico para a extradição de Rauf, preso dia 9 de agosto no Paquistão, pela ligação a um assassinato de 2002 na Inglaterra. Estima-se que Zawahri e o líder supremo da Al-Qaeda, Osama bin Laden, estejam escondidos na fronteira entre o Paquistão e o Afeganistão, uma região montanhosa que tem sido um porto-seguro para militantes da rede terrorista.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.