Líderes da Europa aceitam negociar ingresso da Turquia na UE

O chanceler (primeiro-ministro) alemão, Gerhard Schroeder, disse que o primeiro obstáculo à entrada da Turquia na União Européia foi removido. "Poderemos começar (as conversações para o ingresso) em outubro", afirmou Schroeder, ao final de uma reunião de cúpula da UE. Ainda poderão se passar mais de dez anos até que a Turquia venha a se integrar formalmente à União Européia.O avanço foi possível quando a Turquia concordou em se comprometer a assinar um acordo ampliando sua união aduaneira com a UE para os dez novos países-membros do bloco, grupo que inclui o sul da ilha de Chipre, cujo governo não é reconhecido pela Turquia. No entanto, Schroeder disse que a assinatura constituirá um reconhecimento "de fato" do Estado cipriota.O premier turco, Recep Tayyip Erdogan, concordou em emitir uma nota por escrito dizendo que o governo em Ancara assinará a extensão do acordo aos novos membros da UE. Ele repudia a interpretação de que a assinatura signifique uma legitimação do governo de Chipre, mas diz que atualmente as relações da Turquia com o sul da ilha "são muito boas" e "vão melhorar". "Trata-se de um evento histórico", disse o primeiro-ministro britânico, Tony Blair. "Mostra que aqueles que crêem haver um embate fundamental de civilizações entre muçulmanos e cristãos estão errados".Em Chipre, ilha divida entre o sul, pró-Grécia, e o norte ocupado pela Turquia, os dois principais partidos greco-cipriotas aplaudiram os novos desdobramentos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.