AFP PHOTO / JUSTIN TALLIS
AFP PHOTO / JUSTIN TALLIS

Líderes da UE se reúnem e começam a discutir o Brexit num momento de fragilidade de Londres

Bloco debaterá alguns desafios que enfrenta, como combate ao terrorismo e crise migratória; chanceler Angela Merkel disse que falar sobre o futuro dos 27 países do grupo é mais importante do que as negociações da separação do Reino Unido

O Estado de S.Paulo

22 de junho de 2017 | 11h12

LONDRES - Com a primeira-ministra britânica, Theresa May, em posição frágil e o presidente francês, Emmanuel Macron, fortalecido, os governantes da União Europeia (UE) se reúnem a partir desta quinta-feira, 22, em Bruxelas, com a expectativa de finalmente deixar para trás o sentimento antieuropeu que estimulou o Brexit.

"Nos reuniremos em um contexto político diferente de alguns meses atrás, quando as forças contrárias à UE estavam no auge", escreveu em sua carta de convite aos 28 líderes do bloco o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk.

Na sexta-feira, a vitória da saída do Reino Unido da UE em um referendo completa um ano. O bloco deve debater por dois dias os vários desafios que enfrentam, como luta contra o terrorismo, defesa, crise migratória, comércio e a inevitável saída dos britânicos do grupo.

A reunião é a primeira para May desde que perdeu a maioria absoluta no Parlamento em eleições antecipadas convocadas justamente com o objetivo de reforçar sua posição ante as negociações de divórcio com a UE. Ela deve apresentar sua proposta para os direitos dos cidadãos europeus no Reino Unido e dos britânicos no restante do bloco após o Brexit.

A reunião também é a primeira para Macron, que, depois de derrotar a ultradireitista Marine Le Pen, conquistou uma ampla maioria nas legislativas realizadas no fim de semana.

Importância

Ainda nesta quinta-feira, May anunciou que apresentará aos colegas europeus seu plano para proteger os direitos dos cidadãos da UE no Reino Unido quando o processo do Brexit for finalizado. A ideia da premiê é "garantir que os europeus residindo no Reino Unido tenham seus direitos protegidos após a saída do país do bloco" e "ver protegidos os direitos dos cidadãos britânicos na Europa".

Os 27 países querem garantir os direitos de 3,6 milhões de cidadãos da UE que vivem no Reino Unido e de 900 mil britânicos que residem no grupo, em sua maioria na Espanha, incluindo acesso à educação e saúde.

A chanceler alemã, Angela Merkel, afirmou que falar sobre o futuro de uma União Europeia sem Reino Unido tem prioridade sobre as negociações do Brexit. "Para mim, o futuro dos 27 têm prioridade sobre a questão das negociações com o Reino Unido sobre sua saída da UE", afirmou.

A UE quer “conduzir essas negociações com bom ânimo”, mas precisa se concentrar “no futuro de todos os 27”, destacou Merkel.

A chanceler também expressou satisfação de trabalhar ao lado de Macron. “Fico muito satisfeita de trabalharmos juntos porque acredito que a criatividade e os novos impulsos que se originaram na França (...) podem ser bons para todos.” / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.