Líderes das Coréias lançam compromisso de paz

Seul e Pyongyang pedem negociações internacionais para discutir acordo de paz formal na península

BBC Brasil,

04 de outubro de 2007 | 03h09

Os líderes da Coréia do Norte e da Coréia do Sul assinaram nesta quinta-feira, 4, uma declaração conjunta pedindo um acordo de paz permanente e laços econômicos mais estreitos na península coreana.   Veja também: Seul admite diferenças entre Coréias Os 62 anos de relações entre as Coréias Coréia do Norte desativa reator nuclear até dezembro   A declaração, assinada pelo presidente sul-coreano, Roh Moo-hyun, e pelo líder norte-coreano, Kim Jong-il, foi firmada depois de uma histórica reunião de três dias entre as duas nações.   "O sul e o norte compartilham da opinião de que devem encerrar o atual sistema de armistício e criar um sistema permanente de paz", diz o documento, que tem oito pontos.   Como os dois lados não assinaram um cessar-fogo oficial depois da Guerra da Coréia - que ocorreu entre 1950 e 1953 e acabou com a divisão do território -, eles permanecem tecnicamente em guerra.    Os líderes pediram ainda negociações internacionais para discutir um acordo de paz formal. O diálogo deve envolver os Estados Unidos e a China, que assinaram com a Coréia do Norte o armistício que pôs fim à guerra.   Roh e Kim também concordaram em implementar algumas medidas econômicas, como a retomada do serviço de trens de carga entre os dois países, interrompido há mais de 50 anos.   A reunião encerrada nesta quinta-feira na capital norte-coreana, Pyongyang, foi a segunda já realizada entre os dois países, e a primeira nos últimos sete anos.   Programa nuclear   Na quarta-feira, a China anunciou que a Coréia do Norte concordou em desativar seu principal reator nuclear, em Yongbyon, e fornecer detalhes completos a respeito de seu programa nuclear até o dia 31 de dezembro.   Um acordo nesse sentido foi fechado na semana passada em negociações em Pequim envolvendo a China, os Estados Unidos, o Japão, a Rússia, a Coréia do Norte e a Coréia do Sul.   O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, disse que o acordo para o fim do programa nuclear norte-coreano vai ajudar a assegurar a paz na região.   O governo americano espera enviar na próxima semana uma equipe ao país para iniciar o trabalho de desativação do reator nuclear. Em troca, a Coréia do Norte vai receber ajuda econômica.   Os Estados Unidos também prometeram tirar o governo de Pyongyang de sua lista de Estados que promovem o terrorismo.   Cinco anos atrás, Bush rotulou a Coréia do Norte como parte de um "Eixo do Mal", formado também pelo Iraque (antes da invasão americana) e pelo Irã.

Tudo o que sabemos sobre:
Coréia do NorteCoréia do Sulcúpula

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.