AFP PHOTO / Federico PARRA
AFP PHOTO / Federico PARRA

Líderes do G-7 pedem que Maduro convoque novas eleições

Canadá, Japão, Reino Unido, EUA, França, Alemanha e Itália acusaram o governo de Caracas de 'autoritarismo', depois da votação realizada no fim de semana

Jamil Chade, correspondente / Genebra, O Estado de S.Paulo

23 Maio 2018 | 10h53

GENEBRA - Os presidentes e primeiros-ministros das maiores economias do mundo estão pressionando a Venezuela e pedem que o presidente Nicolás Maduro convoque novas eleições no país. Em um comunicado emitido nesta quarta-feira, 23, os líderes do G-7 ainda acusaram o governo de Caracas de "autoritarismo", depois da votação realizada no fim de semana, que resultou em mais um mandato para o regime chavista

+ ‘A Venezuela é uma ditadura governada por assassinos’

+ Funcionários públicos relatam ameaças por não terem votado na Venezuela

Assinada por Canadá, Japão, Reino Unido, EUA, França, Alemanha, Itália, e com o apoio de outros membros da União Europeia (UE), um comunicado do bloco confirmou uma "rejeição ao processo eleitoral" na Venezuela.  

+ Maduro expulsa principal diplomata dos EUA na Venezuela por 'conspiração'

+ Europa diz que Maduro não garantiu eleições livres

"Ao se recusar a aceitar padrões internacionais e ao não estabelecer garantias básicas para um processo democrático, inclusivo e justo, essa eleição e seu resultado não têm legitimidade ou credibilidade", declararam os governos.  

"Portanto, denunciamos a eleição presidencial venezuelana e seu resultado por não serem representativos da vontade democrática dos cidadãos da Venezuela", indicaram líderes como o canadense Justin Trudeau, o americano Donald Trump e alemã Angela Merkel.  "O governo venezuelano perdeu a oportunidade para uma retificação política urgente", disseram. 

"Enquanto o regime de Nicolás Maduro solidifica seu controle autoritário, o povo da Venezuela continua a sofrer abusos de direitos humanos e sérias privações, causando o deslocamento cada vez maior e afetando países pela região", apontaram. 

"Pedimos ao regime de Maduro que restabeleça a democracia constitucional na Venezuela e organize eleições livres e justas que possam de fato refletir a vontade democrática do povo, que libere presos políticos, restaure a autoridade da Assembleia Nacional e garanta acesso a atores humanitários", declararam os líderes do G-7. 

O bloco se diz "comprometido" em apoiar uma solução "negociada, pacífica e democrática" para a crise na Venezuela. Nesta semana, além das novas sanções adotadas pela Casa Branca, a Europa indicou que também estudaria medidas "adequadas" para responder à eleição de Maduro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.