Líderes do Japão, Coreia e China visitam Fukushima

Os líderes do Japão, China e Coreia do Sul se reuniram neste sábado para demonstrar empenho conjunto após o terremoto no Japão e recuperação do país, enquanto buscam minimizar o desconforto e as divergências sobre como o governo japonês conduziu a crise nuclear. Antes da reunião de cúpula trilateral, os líderes se encontraram na cidade de Fukushima, a apenas 40 milhas (60 quilômetros) da usina nuclear de Fukushima Dai-ichi, que sofreu graves danos após o terremoto do dia 11 de março.

AE, Agência Estado

21 de maio de 2011 | 12h40

O terremoto e o subsequente tsunami que atingiu o país deixaram mais de 24.000 pessoas mortas ou desaparecidas e desencadearam a crise ainda em andamento na usina de Fukushima Dai-ichi. A China e a Coreia do Sul têm se mostrado críticos em relação à resposta do Japão à crise nuclear, particularmente sobre a divulgação de dados de radiação no oceano e monitoramento de exportações de alimentos contaminados.

O Japão espera que a visita dos dois líderes ajude a amenizar as preocupações e as restrições às importações de produtos japoneses. O encontro deve ter como foco a crise nuclear e as discussões sobre a maneira como cada país pode ajudar na recuperação japonesa. Em um aceno de boa vontade para os fazendeiros locais, os três líderes mostraram cerejas, tomares, morangos e pepinos cultivados em Fukushima. "Foi minha decisão vir para Fukushima", disse o primeiro-ministro da China, Wen Jiabao. "Eu vim aqui em nome de todo o povo chinês." Ele sugeriu que as restrições a importações podem ser aliviadas se a segurança for garantida, segundo informou a imprensa japonesa.

O governo japonês pretendia realizar a abertura formal da cúpula em Fukushima, mas o plano foi desfeito por causa de questões logísticas. Em vez disso, os líderes visitaram um centro de evacuação em Fukushima e depois seguiram para Tóquio, onde participaram de um acolhedor banquete.

O presidente sul-coreano Lee Myung-bak aterrissou na cidade de Sendai na manhã de sábado (horário local) e seguiu diretamente para as áreas devastadas, depositando uma coroa de flores e rezando em silêncio. Wen chegou mais tarde e também cumpriu uma programação semelhante. O primeiro-ministro do Japão, Naoto Kan, uniu-se a eles na tarde de sábado. As conversas de cúpula, assim como encontros bilaterais, ocorrerão neste domingo em Tóquio. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
JapãoFukushimausina nuclearterremoto

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.