Líderes do Khmer Vermelho são indiciados por genocídio

O tribunal para o Camboja respaldado pela Organização das Nações Unidas (ONU) acusou hoje quatro ex-líderes do Khmer Vermelho por genocídio, crimes de guerra e contra a humanidade. Entre os acusados está o mais importante membro do grupo ainda vivo.

AE, Agência Estado

16 de setembro de 2010 | 13h13

A corte decidiu enviar os quatro acusados para julgamento, segundo o juiz You Bunleng. Entre as acusações há casos de homicídio, estupro e tortura. Nuon Chea, de 84 anos, que era conhecido como "Irmão Número Dois" e atuou como vice do fundador do Khmer Vermelho Pol Pot, deve ser julgado em 2011.

Também serão julgados no mesmo ano o ex-ministro das Relações Exteriores Ieng Sary, a mulher do ex-ministro e ex-ministra da Assistência Social Ieng Thirith, e o ex-chefe de Estado Khieu Samphan.

O juiz internacional Marcel Lemonde disse que a investigação do caso, a segunda do tribunal após a sentença, em julho, a 30 anos de prisão para o ex-chefe das prisões do Khmer Vermelho, conhecido apenas como Duch, demoraram porque os casos são complexos. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Khmer VermelhoCambojagenocídioONU

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.