Líderes do Sendero Luminoso são condenados à prisão perpétua

O fundador do Sendero Luminoso, Abimael Guzmán, conhecido como Presidente Gonzalo e sua companheira sentimental e número dois da organização maoísta, Elena Iparraguirre, foram condenados hoje à prisão perpétua. Outros 10 integrantes da cúpula da organização foram condenados a 25 anos de prisão, segundo a sentença divulgada hoje após um ano do processo judicial na Base Naval do Callao. Mas todos, inclusive Guzmán, foram absolvidos da acusação de apologia do terrorismo.Após mais de oito horas de leitura da sentença, o Tribunal Penal Nacional de Terrorismo do Peru, presidido pelo juiz Pablo Talavera, determinou que a cúpula do Sendero deverá pagar um total de US$ 1,118 bilhão em indenizações.Além disso, Guzmán, conhecido também como "camarada Gonzalo", deverá pagar mais de US$ 77 mil às famílias das vítimas do massacre de Lucanamarca. Em 1983, o Sendero Luminoso matou a machadadas 69 camponeses, entre eles 20 crianças, na localidade peruana.O número três do Sendero Luminoso, Oscar Ramírez Durand, conhecido como "Feliciano", recebeu uma pena de 25 anos. O juiz também autorizou a sua mudança da Base Naval do Callao para uma instituição penal não militar. Ele foi beneficiado pela lei de colaboração eficaz, depois de entrar em divergência com Guzmán.As dirigentes Laura Zambrano e María Pantoja, que fizeram parte do Socorro Popular, comitê encarregado dos atentados e assassinatos seletivos em Lima e no sul do país, foram condenadas a 35 anos de prisão.Os outros integrantes do Comitê Popular, Angélica Salas, Margie Clavo, Martha Huatay, Víctor Zavala, Margot Liendo, Osmán Morote e Victoria Trujillo, receberam uma sentença de 25 anos.Saiba mais sobre o Sendero LuminosoSegundo o site Wikipédia, o Sendero Luminoso (que significa "caminho iluminado", em espanhol) é um grupo guerrilheiro de inspiração maoísta fundando em 1964, como uma dissidência do Partido Comunista do Peru. Seus criadores eram formados por professores e alunos de universidades peruanas, especialmente da província de Ayacucho. O líder e fundador do grupo Abimael Guzmán, foi professor de Filosofia da Universidade Nacional de San Cristóbal de Huamanga, conhecido pelo codinome Presidente Gonzalo. Guzmán foi preso em 1992, e vários líderes do Sendero foram presos nos anos seguintes, diminuindo consideravelmente a força do grupo.O Sendero Luminoso é considerado o maior movimento revolucionário do Peru, opositor a outro grupo, Movimento Revolucionário Tupac Amaru que existiu de 1984 a 1997. Seu objetivo era instituir no país um governo de base camponesa. São atribuídos ao grupo, de aproximadamente 2 mil integrantes, ataques com bombas, assassinatos e possível envolvimento com comércio de pasta de coca. Está entre os dois maiores grupos de ação da América do Sul (ao lado das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia, FARC).Principais eventos ligados ao Sendero LuminosoOs eventos ocorreram no Peru a partir de 1980, quando o Sendero Luminoso iniciou a luta armada, que terminou 20 anos depois com quase 70 mil mortes, a metade causada pela organização maoísta.1980 - 17 de maio: O Sendero comete seu primeiro atentado na comunidade andina de Chuschi. No dia seguinte, Fernando Belaúnde, da Ação Popular, ganha as eleições, pondo fim a 12 anos de regimes militares.1981 - Maio: Governo envia policiais ao departamento de Ayacucho para combater o grupo. - Outubro: Suspensas as garantias constitucionais e as liberdades em Ayacucho. 1982 - 3 de março: Sendero ataca uma prisão de Ayacucho e 304 presos fogem. - 29 de dezembro: Forças Armadas assumem o controle da segurança em Ayacucho. 1983 - 26 de janeiro: Oito jornalistas são assassinados na comunidade camponesa de Uchuraccay. - 3 de abril: Sendero mata 69 pessoas, entre elas 20 crianças, em Lucanamarca. - 13 de novembro: Polícia mata 32 camponeses em Socos durante um casamento. 1984 - 23 de agosto: Quatro valas comuns são encontradas em Pacayacu, com os corpos de 49 detidos pelo Exército.1985 - 28 de julho: Assume a Presidência Alan García. - 14 de agosto: Exército mata 63 camponeses de Accomarca. 1986 - 18 de junho: Presos acusados de terrorismo se amotinam nas penitenciárias de Lurigancho, El Frontón e Santa Bárbara; Marinha intervém e morrem cerca de 250 internos. 1988 - 14 maio: Militares assassinam cerca de 25 camponeses em Cayara.1989 - Junho: Desaparece quase a metade dos 300 alunos e 30 professores detidos em Huancayo.1990 - 28 de julho: Alberto Fujimori assume a Presidência e um mês depois decreta o estado de emergência em Lima e Callao. 1991 - 3 de novembro: O grupo paramilitar Colina assassina 15 pessoas no distrito de Bairros Altos, próximo a Lima. 1992 - 16 de julho: Carro-bomba explode no distrito de Miraflores, nos arredores da capital, deixando 23 mortos e 100 feridos, três meses depois do "autogolpe" de Fujimori. - 18 de julho: Colina seqüestra e assassina nove estudantes e um professor na Universidade La Cantuta, nos arredores de Lima. - 12 de setembro: Polícia captura o dirigente Abimael Guzmán, ao lado de sua companheira e número dois da organização, Elena Iparraguirre, e 10 integrantes do comitê central. - 14 de outubro: Tribunal militar confirma a cadeia perpétua para Guzmán e Iparraguirre. 1993 - 18 de agosto: Sendero assassina 65 pessoas no departamento de Junín. - 1 de outubro: Fujimori anuncia que Guzmán propôs um acordo de paz, que não é acatado pela facção liderada por "Artemio". 1999 - 14 de julho: Capturado o último dos fundadores do Sendero em liberdade, Oscar Ramírez Durand. 2000 - 19 de novembro: Fujimori foge para o Japão e renuncia à Presidência. Começa Governo de transição liderado por Valentín Paniagua e forma-se a Comissão da Verdade e Reconciliação (CRV).2001 - 28 de julho: Alejandro Toledo assume a Presidência.2002 - 21 de março: Dez pessoas morrem num atentado com carro-bomba em frente à embaixada dos Estados Unidos, dois dias antes da visita do presidente George W. Bush a Lima.2003 - 3 de janeiro: Sentença dos líderes do Sendero no tribunal militar é declarada inconstitucional. - 29 de agosto: CVR conclui que entre 1980 e 2000 morreram 69 mil pessoas, metade por culpa do Sendero. 2005 - 26 de setembro: Começa o julgamento civil da cúpula da organização. - 20 de dezembro: Membros do Sendero assassinam oito policiais em Aucayacu. 2006 - 20 de fevereiro: Polícia mata o chefe militar Víctor Aponte, conhecido como "Clay", na selva peruana. Continua em liberdade "Artemio", líder dos guerrilheiros remanescentes. - 13 outubro: Abimael Guzmán e Elena Iparraguirre são condenados à prisão perpétua, e o resto da cúpula a penas de 25 a 35 anos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.