iraniano Bavand ficou quase 50 dias em Paranaguá em meio a impasse com Petrobrás por sanções dos EUA
iraniano Bavand ficou quase 50 dias em Paranaguá em meio a impasse com Petrobrás por sanções dos EUA

Líderes do setor agrícola pedem cautela do Brasil em crise entre EUA e Irã

Empresários brasileiros exportam o equivalente a US$ 9 bilhões por ano em produtos agropecuários para o Oriente Médio e temem perder mercados importantes se o País se aproximar demais da posição americana

Paulo Beraldo, O Estado de S.Paulo

08 de janeiro de 2020 | 05h05

O apoio do Brasil ao ataque americano que matou na semana passada no Iraque o general Qassim Suleimani, principal militar iraniano, preocupa líderes setor agropecuário brasileiro. Eles pregam maior cautela no campo diplomático para não atrapalhar os negócios. O Brasil é o país que mais exporta produtos agropecuários para o Oriente Médio, ganhando cerca de US$ 9 bilhões por ano

“O Oriente Médio é um grande parceiro do Brasil em termos de alimentação. Temos muitos interesses lá”, alerta o presidente da Associação Brasileira dos Produtores de Milho (Abramilho), Alysson Paulinelli. Ele diz que a atual crise, com o embargo dos EUA ao Irã, já prejudica o comércio, mas garante que uma escalada seria pior.

“Devemos ter cautela, não temos de chamar essa briga para nós, não precisamos nos envolver. O que queremos com isso?”, questiona o deputado federal Neri Geller (PP-MT), ex-ministro da Agricultura. Ele sugere que o Brasil trabalhe pela pacificação e construção de mais relações comerciais no exterior e frisa que o Irã é um comprador importante de produtos como milho, soja e carne bovina do Brasil.

Segundo dados do Insper Agro Global, o Brasil é o maior fornecedor de alimentos para o Oriente Médio, seguido por Índia e EUA. O setor de agronegócio representa 97% das exportações brasileiras ao Irã.

Balança comercial

Em 2018, o Irã foi o quinto maior destino das exportações brasileiras do setor agrícola, após China, União Europeia, EUA e Hong Kong. O Brasil exportou US$ 2,28 bilhões em produtos agrícolas ao Irã e importou US$ 39,92 milhões. Isso criou um superávit de US$ 2,218 bilhões no ano. Ainda em 2018, o Brasil exportou US$ 550 milhões em produtos agrícolas para o Iraque. 

“O Irã comprou, no ano passado, US$ 2,2 bilhões do Brasil – basicamente, milho, soja e carne bovina”, afirma Marcos Jank, professor de agronegócio global do Insper e conselheiro internacional do Centro Brasileiro de Relações Internacionais (Cebri). Isso coloca o país como o principal destino dos produtos brasileiros na região. 

“Não deveríamos tomar partido neste momento de radicalização e conflitos. Temos de reservar nossos grandes interesses no Oriente Médio, que compra quase duas vezes mais produtos agropecuários do Brasil do que os EUA”, disse Jank.

Para Entender

Quem era Qassim Suleimani, general assassinado em ataque dos EUA

Militar conseguiu costurar importantes alianças dentro e fora do Oriente Médio

O Irã também é o segundo maior mercado para o milho brasileiro e o quinto maior destino da carne bovina e da soja exportadas pelo Brasil, segundo dados do Ministério de Relações Exteriores. 

Na sexta-feira, logo após a morte de Suleimani, o Itamaraty divulgou uma nota em que apoiava a “luta contra o flagelo do terrorismo”, condenando o ataque à Embaixada dos EUA no Iraque, mas evitando criticar o ataque que matou o general iraniano.

Em reação, a chancelaria do Irã convocou a encarregada de negócios do Brasil, Maria Cristina Lopes, para uma consulta, um sinal diplomático de reprovação. O conteúdo da conversa não foi divulgado, mas o Itamaraty descreveu o diálogo como “cordial”.

A reação inicial do presidente Jair Bolsonaro também foi de apoio aos EUA. Na segunda-feira, ele disse que Suleimani “não era general”. Um dia depois, no entanto, baixou o tom e evitou tocar no assunto diretamente. Questionado ontem sobre o que quis dizer com a declaração, ele respondeu simplesmente: “Não, não, isso aí não. Próxima pergunta”.

Segundo uma fonte da ala militar do governo, Bolsonaro foi orientado por auxiliares a agir com cautela em razão da sensibilidade do tema e das implicações comerciais. E parece ter entendido a mensagem. Na terça-feira, após reunião com militares no Ministério da Defesa, o presidente disse que não responderia perguntas.

Para Entender

Em possível área de guerra, Estados Unidos têm 80 mil militares

Soldados americanos estão espalhados por 27 bases e instalações distribuídas em 12 países

Para Bartolomeu Braz, presidente da Aprosoja Brasil, a principal preocupação com a tensão entre EUA e Irã é o aumento dos custos de produção com a alta do petróleo – e não a exportação de alimentos. Braz não teme retaliações e diz que o País acerta em condenar o terrorismo.

“O Brasil exporta alimentos para mais de 200 países, pela qualidade e pela competitividade. Então, esses fatores vão sobressair a uma palavra dita ou não. Acho que isso tende a esfriar”, minimizou.

A tensão entre EUA e Irã aumentou desde a morte de Suleimani. O general era uma das principais referências militares e políticas do Irã e comandante da Força Quds, um grupo de elite dentro da Guarda Revolucionária iraniana. / COLABORARAM JULIA LINDNER E MATEUS VARGAS (BRASÍLIA)

Navios iranianos foram barrados

Os cargueiros iranianos Bavand e Termeh, que trouxeram ureia ao Brasil, ficaram quase 50 dias parados no Porto de Paranaguá, em meados do ano passado, pois a Petrobrás havia se negado a vender combustível para os navios, afirmando que a proprietária deles constava na lista de empresas sob sanções dos EUA.

Eles só conseguiram zarpar depois que o Supremo Tribunal Federal (STF) ordenou que a Petrobrás fornecesse combustível às embarcações. O Irã havia ameaçado cortar as importações do Brasil se os navios não fossem abastecidos e liberados. Dias depois, outros dois cargueiros iranianos, o Delruba e o Ganj, descarregaram ureia no Porto de Imbituba, em Santa Catarina, e partiram em seguida.

3 PERGUNTAS PARA...

Marcos Jank, professor de agronegócio global do Insper

  • Que reflexos a crise no Oriente Médio pode ter no agronegócio brasileiro?

Não há uma bola de cristal muito precisa, mas a verdade é que o palheiro foi aceso. A resposta que Donald Trump deu acabou unificando o Irã contra os EUA, e também a maioria xiita iraquiana. Há uma dominância xiita nos dois países, além das milícias que eles patrocinam na região. O que mais preocupa, no momento, é um recrudescimento do terrorismo no mundo e, especificamente, na região. Eu não descartaria a possibilidade de uma guerra, mas não acho que essa opção interesse hoje a alguém.

  • Pode haver algum setor beneficiado?

Existe um risco de elevação do preço do petróleo, já que Irã e Iraque estão envolvidos. Traria prejuízos generalizados, com exceção do etanol. Pois, cada vez que o preço do petróleo ou da gasolina sobe, acaba beneficiando os biocombustíveis. Mas, no geral, a perspectiva seria de alta nos custos de produção – não só no Brasil.

  • Qual deve ser a resposta do Brasil?

O Brasil é o principal exportador de produtos agropecuários para o Oriente Médio, liderando as exportações de soja, milho, açúcar e carne de aves e bovina. Temos de preservar nossos grandes interesses no Oriente Médio, que compra quase duas vezes mais produtos agropecuários do Brasil do que os Estados Unidos. É preciso cautela, porque são mercados sólidos e tradicionais do Brasil, que sempre dependerão de importações para sua segurança alimentar em razão da sua condição desértica. Precisamos incentivar o diálogo e construir políticas que preservem nosso papel como principal fornecedor de alimentos para a região.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.