Líderes estudantis são proibidos de entrar em distrito de Hong Kong

Condição foi imposta pela Justiça da região para que os dois estudantes presos possam ser libertados sob fiança

O Estado de S. Paulo

27 Novembro 2014 | 09h39

HONG KONG - Líderes estudantis de Hong Kong foram banidos de ir a uma grande área do distrito de Mong Kok como condição para serem libertados sob fiança nesta quinta-feira, 27, após terem sido presos durante confrontos em uma operação da polícia para desocupar ruas da cidade que há semanas eram travadas pelos manifestantes.

Joshua Wong, Lester Shum e o legislador ativista Leung Kwok-hung, que também foi banido de Mong Kok, foram acusados de obstruir o trabalho de oficiais de Justiça e não apelaram da decisão. Eles devem aparecer novamente na corte em 14 de janeiro.

Wong, Shum e Leung estavam entre os mais de 100 manifestantes presos em Mong Kok nos últimos dois dias. O grupo estudantil de Wong, chamado "Escolarismo", confirmou a proibição imposta pelo tribunal. Shum e Leung receberam termos semelhantes de fiança.

Os manifestantes exigem nomeações abertas para a eleição do próximo chefe-executivo da cidade controlada pela China, em 2017. Pequim disse em agosto que permitira a votação, mas apenas com a participação de candidatos pré-selecionados pelo Partido Comunista chinês.

As ruas de Mong Kok têm sido uma região importante para os manifestantes que pedem mais democracia. /REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.