EFE/Felipe Trueba
EFE/Felipe Trueba

Líderes europeus mostram apoio a ataque contra Síria

Representantes da União Europeia e outros países elogiaram a liderança dos EUA, Reino Unido e França e criticaram o uso de armas químicas pelo governo sírio

O Estado de S.Paulo

14 de abril de 2018 | 12h31

São Paulo, 14/04/2018 - Muitos líderes europeus expressaram apoio neste sábado aos ataques aéreos liderados pelos EUA contra a Síria, mas advertiram contra a potencial escalada do conflito na região. Representantes de países como Alemanha, Espanha, Itália, Bélgica, e República Tcheca, além de autoridades da União Europeia, criticaram o uso de armas químicas pelo regime de Bashar al-Assad, o motivo alegado para a operação, e elogiaram a liderança de EUA, França e Reino Unido no combate aos ataques químicos.

"Apoiamos o fato de que nossos aliados dos EUA, Reino Unido e França assumiram responsabilidade, desta forma, como membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU. O ataque militar era necessário e apropriado para preservar a eficácia da proibição internacional ao uso de armas químicas e avisar o regime sírio contra outras violações", declarou a chanceler alemã, Angela Merkel.

+ Trump ordena ataque à Síria em resposta a uso de armas químicas

+ Centena de sírios vão às ruas para celebrar reação do exército a ataques liderados pelos EUA

+ Trump agradece e exalta poderio militar dos EUA e dos aliados após ataques à Síria

"Esta foi uma ação limitada e direcionada a atingir a capacidade de construir ou de difundir armas químicas. Não pode e não deve ser o começo de uma escalada", afirmou o primeiro-ministro italiano, Paolo Gentiloni.

O primeiro-ministro da Espanha, Mariano Rajoy, considerou o ataque "legítimo e proporcional" em relação às "atrocidades" observadas da Síria, numa referência aos ataques químicos que seriam supostamente comandados pelo governo de em particular o ataque reportado semana passada da cidade de Douma, nos arredores de Damasco. "O que ocorreu na Síria nos últimos dias vai muito além da constante violação de cessar-fogo", acrescentou.

Para o primeiro ministro tcheco Andrej Babis, "o ataque contra o regime sírio que usa armas químicas para atacar a população civil era inevitável".

O governo belga divulgou comunicado no qual disse condenar "veementemente todo uso de armas químicas, que são uma flagrante violação do direito internacional", ao declarar que compreende a ação militar na Síria.

Já o presidente da Comissão da União Europeia, Jean-Claude Juncker, considerou que comunidade internacional tem a responsabilidade de identificar e punir os responsáveis por qualquer ataque com armas químicas. "Não é a primeira vez que o regime sírio usou armas químicas contra civis, mas deve ser o último", disse.

Para o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, "os ataques dos EUA, França e Reino Unido deixam claro que o regime sírio, juntamente com Rússia e Irã, não podem continuar esta tragédia humana, pelo menos não sem custo". Por meio de sua conta no Twitter, ele disse que a União Europeia "vai ficar com os nossos aliados do lado da Justiça".

(Luciana Collet, com Associated Press)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.