Líderes europeus reforçam segurança depois de bombas

A segurança aos líderes da União Européia foi reforçada, por conta da descoberta de quatro bombas que haviam sido envidas por carta as agências da União Européia. O presidente da Comissão Européia da União Européia, Romano Prodi, escapou ileso de um atentado sábado, em Bolonha (Itália), quando um pacote que recebeu pelo correio irrompeu em chamas. Desde então, bombas foram encontradas na correspondência do presidente do Banco Central Europeu, na Alemanha, e na correspondência de duas agências de combate ao crime da UE na Holanda. Ninguém ficou ferido. Na Itália, a segurança também foi reforçada. O governo fechou o espaço aéreo de Roma a aviões privados até o dia 6 de janeiro. As autoridades de Hamburgo mantêm fechado, desde ontem, um hospital militar no norte da cidade, após receberem alerta dos EUA de que extremistas islâmicos planejam um ataque ao local.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.