Jonathan Nackstrand/AFP
Jonathan Nackstrand/AFP

Líderes europeus trocam acusações e dizem que vírus pode acabar com UE

Integração europeia, que já vem abalada, agora enfrenta desafio da pandemia, que tem fortalecido políticas nacionalistas e muitas vezes autoritárias

Redação, O Estado de S.Paulo

04 de abril de 2020 | 05h00

BERLIM  - A pandemia agravou os problemas da União Europeia (UE) e alguns líderes já temem que o coronavírus possa acabar com o bloco. A coesão da UE já havia sido abalada pela crise financeira de 2008, pelo fluxo migratório descontrolado, que se arrasta desde 2015, e pelo Brexit. Agora, a integração bate de frente com o vírus, que criou atritos entre países e fortaleceu autocracias, como na Hungria.

Se os líderes não conseguirem traçar um caminho em comum, o projeto europeu pode estar em risco, como descreveu um de seus arquitetos nesta semana. Nos primeiros dias da pandemia, a resposta de alguns países mostrou que os interesses nacionais ainda superam os ideais europeus. 

Primeiro, o fechamento de fronteiras foi realizado de maneira descoordenada. Depois, Alemanha e França proibiram a exportação de equipamentos médicos, como máscaras e respiradores, mesmo quando a Itália mais precisava de ajuda. No vácuo, surgiram Rússia e China para capitalizar a situação. Moscou e Pequim rapidamente ofereceram assistência médica, construindo uma narrativa heroica e dando argumentos aos eurocéticos. 

Em meio à crise, o primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán, usou poderes emergenciais para praticamente suspender a democracia, criticando os princípios básicos de um estado de direito. Juntas, todas essas tensões começaram a sobrecarregar a UE. 

“Isso pode ser a gota d’água”, disse Nathalie Tocci, diretora do Instituto de Assuntos Internacionais da Itália. “A crise do coronavírus é um desafio importante, não porque trouxe as coisas do nada. Ela toca em todas as esferas e acentua dinâmicas que já estão lá.”

Norbert Rottgen, político alemão e candidato a substituir a chanceler Angela Merkel, comparou as lutas internas do bloco a “uma guerra de trincheira exaustiva”, juntando-se ao coro das vozes que alertam que a UE corre grave perigo.

O ponto mais alto da divergência aconteceu durante uma videoconferência em que nove países, incluindo Itália e Espanha, pediram apoio financeiro. O ministro holandês das Finanças, Wopke Hoekstra, respondeu com um pedido para Bruxelas investigar porque alguns governos não dispunham de recursos financeiros para combater sozinhos a pandemia. 

O comentário desencadeou uma tempestade, uma vez que, para os críticos, soou como se os holandeses estivessem transformando uma crise de saúde, cujas origens não têm relação com ações de nenhum governo, em uma lição de moral fiscal. “O comentário foi repugnante”, afirmou o primeiro-ministro português, António Costa. “Ou a UE faz o que precisa ser feito ou será o seu fim.” 

O debate reabriu as feridas que mal haviam se curado após a crise financeira de 2008, quando a Alemanha levou os europeus a impor dolorosas medidas de austeridade à Grécia e à Itália em troca de socorro financeiro. Agora, com as necessidades ainda maiores, muitos questionam o sentido do bloco, se os membros mais ricos não estão dispostos a apoiar os vizinhos em dificuldade. “Daqui a 10 ou 20 anos, todos nos lembraremos do que aconteceu neste momento, como todos os alemães lembram onde estávamos quando caiu o Muro de Berlim”, disse Holger Schmieding, economista do Berenberg Bank. “A impressão política que criamos agora será decisiva.”

Comissão

A Comissão Europeia tentou mostrar atos de solidariedade, com a Alemanha e Luxemburgo recebendo pacientes de França e da Itália. O governo francês doou 1 milhão de máscaras para os italianos e os alemães enviaram 7 toneladas de equipamentos médicos. Mas a relutância dos países do norte da Europa em compartilhar suprimentos e aprovar um resgate financeiro contrastaram com as imagens das caixas de ajuda da China e dos soldados russos chegando à Itália.

“A Europa terá de se unir e superar seus tropeços iniciais se quiser vencer essa batalha de narrativas”, disse Noah Barkin, pesquisador do Fundo Marshall Alemão. “O bloco não pode se dar o luxo de entrar em brigas em um momento como esse. Embora isso tenha acontecido durante a crise financeira, agora é ainda mais crucial, considerando que os EUA estão mais hostis e a China demonstrou que vai tirar o máximo dessa crise para promover os próprios interesses.” / THE WASHINGTON POST

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.