Líderes interinos querem governo de unidade na Tunísia

Nova composição deve ser anunciada ainda nesta segunda; protestos voltam a movimentar capital

Agência Estado

17 de janeiro de 2011 | 09h22

TÚNIS - Os líderes interinos da Tunísia afirmaram nesta segunda-feira, 17, ter a esperança de que um novo governo contribua para a estabilização do país, que nos últimos dias registra enfrentamentos armados entre facções, saques e violentos protestos, após a queda do presidente Zine El Abidine Ben Ali.

 

Veja também:

blog A expansão da democracia no mundo árabe

 

O centro da capital, Túnis, parecia calmo durante a noite, apesar de versões não confirmadas de que haviam ocorrido prisões e assassinatos. A polícia e o Exército, porém, voltaram a entrar em conflito com manifestantes no final do dia (de acordo com o horário local).

 

O primeiro-ministro do país, Mohamed Ghannouchi, disse que um novo governo de unidade deve ser anunciado ainda nesta segunda, incluindo pela primeira vez membros da oposição. Ghannouchi falou em rede nacional de televisão no domingo, após começarem a ocorrer confrontos armados em frente ao palácio ocupado anteriormente por Ben Ali.

 

O líder secular de esquerda da Tunísia, Moncef Marzouki, disse que pretende concorrer à presidência do país nas próximas eleições. "Eu serei, de fato, candidato", afirmou à rádio France Info. O Partido Congresso para a República, de Marzouki, foi banido durante o regime de 23 anos de Ben Ali. Agora, deve ter permissão para concorrer nas próximas eleições.

 

O presidente do Parlamento assumiu o posto de chefe de Estado interino e atribuiu ao Conselho Constitucional a função de organizar as eleições presidenciais e legislativas em 60 dias.

 

Violência

 

O Exército e a polícia da Tunísia investiram contra cerca de mil manifestantes no centro da capital, Túnis, que pediam a dissolução do Reagrupamento Constitucional Democrático, o partido de Ben Ali.

 

As forças de segurança usaram canhões d'água e granadas de fumaça contra os manifestantes e dispararam para o alto para dispersar a multidão. Os protestos ocorreriam em uma popular avenida da cidade.

Tudo o que sabemos sobre:
TunísiacrisegovernoBen AliÁfrica

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.