Imagem Mac Margolis
Colunista
Mac Margolis
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Líderes latinos na rede

Eleita com folga no segundo turno de 2010, Dilma Rousseff estreou confiante no Palácio do Planalto. Com um país a tocar, deixou a imagem de seu governo por conta dos profissionais, o marqueteiro João Santana, exímio comunicador, e seu padrinho, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Mac Margolis, O Estado de S.Paulo

30 de março de 2014 | 02h06

Tão atarefada ou confiante que estava, Dilma até esnobou o Twitter, deixando dormente sua conta na badalada plataforma de mídia social. Pode ter sido um erro grave. Essa é a tônica de uma nova pesquisa da consultoria Llorente e Cuenca sobre a reputação dos líderes na América Latina. Quando finalmente Brasília mudou de ideia, três anos depois, já era tarde.

Estávamos em meados de 2013 e o Brasil atravessava um momento conturbado, com manifestantes aos milhares nas ruas. Claro, a fúria da multidão estava desfocada e a sua pauta, difusa. No entanto, para quem andava de chapa branca, o recado era cristalino. O mal humor com o poder público estava não só em toda parte, como também turbinado pela mídia social. Justamente aquele que o governo abandonara.

Pode soar exagero. Ninguém governa pelo smartphone. Entretanto, de acordo com a avaliação dos mandatários de 20 países latino-americanos, tuíta quem pode e ignora a rede quem não tem juízo.

Pode parecer óbvio. As mídias sociais tornaram-se ferramentas inseparáveis da democracia, ora mobilizando multidões, ora globalizando notícias na velocidade de um clique Em 2008, o presidente dos EUA, Barack Obama, ganhou a Casa Branca graças à militância jovem, enviando-lhes torpedos endereçados à palma de cada mão, e cada um desses se incumbiu de multiplicar o milagre. Alguns latino-americanos emularam o feito. Destaque para o colombiano Juan Manuel Santos, candidato estreante que, em 2010, virou as pesquisas de ponta cabeça com a ajuda do mago do marketing virtual Ravi Singh.

No entanto, há uma diferença entre importar um guru e abraçar a identidade digital. Para entender quem melhor dominou a jogada da web, os estudiosos da Llorente e Cuenca mediram a presença online dos líderes latino-americanos nos principais pontos de encontro da rede: Google, Facebook, YouTube e Twitter.

Na lupa, olharam quesitos básicos, como liderança, influência, gestão e responsabilidade. Para elencar os resultados, esmiuçaram os primeiros cem registros com mais acessos em cada um das mais importantes comunidades virtuais.

Alguns de seus resultados são intuitivos. Quanto mais visto é o líder nacional, mais forte é sua "marca". O jovem presidente mexicano, Enrique Peña Nieto, com sua tina de administrador moderno, pinta de galã de telenovela e dedicação à comunicação digital, é o mais reconhecido na rede entre os mandatários latinos.

Há surpresas também. Quem se saiu melhor na foto, com o maior índice de menções positivas na mídia social, foi o equatoriano Rafael Correa. Claro, boa parte do aplauso para o polêmico caudilho de Quito, notório pelo cerco que promove à imprensa e pela intimidação dos críticos, pode ser autofabricado, garantido por militantes incumbidos de saturar a rede com mensagens oficiais e não deixar nenhuma crítica sem resposta.

Entretanto, em tempos digitais, o jogo é jogado. E quem ignora o campo virtual, perde a batalha da imagem. Quem parece ter absorvido a lição foi a própria Dilma. Após o tombo de junho e de julho do ano passado, ela reavivou seu perfil no Twitter e encorpou o Facebook.

Loquaz na web, a presidente brasileira viu melhorar sua aprovação. Dos 20 líderes latino-americanos, é dela a melhor avaliação de ações sociais, marca registrada do governo desde os tempos de Lula.

Contudo, há limites evidentes para a estratégia digital. Não há superexposição virtual que possa compensar um governo ruim. Ao contrário, veja o venezuelano Nicolás Maduro, que mantém um perfil agressivo nas redes sociais, mas cuja gestão trôpega conduz o país lentamente à paralisia. Talvez por isso seja avaliado na pesquisa como uma das piores influências entre os líderes latino-americanos. Ou seja, para quem quer construir uma identidade política, é urgente ocupar a rede, mas desde que não se esqueça do resto.

*É colunista do 'Estado' e chefe da sucursal brasileira do portal de notícias Vocativ

Tudo o que sabemos sobre:
Mac Margolis

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.