Líderes muçulmanos perdoam papa por discurso polêmico

Uma carta aberta ao papa, assinada por 38 líderes religiosos muçulmanos de vários países, que aceitam a "manifestação de pesar" de Bento XVI por seu polêmico discurso sobre o Islã, deve ser entregue ao núncio papal da Jordânia, para ser repassada ao Vaticano neste domingo. No entanto, a extensa carta, publicada no site da revista online Islâmica, também aponta "erros" no discurso que o papa fez na Alemanha, em setembro.O papa Bento 16 provocou irritação e revolta no mundo muçulmano ao citar um texto medieval que relacionava o Islã à violência. O texto, do século 14, definia Maomé como portador de "coisas más e desumanas como a difusão da fé por meio da espada". Ele não pediu desculpas pelo discurso proferido na universidade de Regensburg, na Alemanha, mas disse lamentar ter ofendido os muçulmanos com isso.Os clérigos, que são da Bósnia, Croácia, Egito, Jordânia, Kosovo, Omã, Rússia, Turquia, Usbequistão e Irã, dizem que aceitam a "manifestação inédita de pesar" do papa. A revista Islâmica, baseada em Los Angeles, disse que a carta seria entregue ao núncio papal da Jordânia neste domingo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.