Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Ebrahim Noroozi/AP
Ebrahim Noroozi/AP

Líderes mundiais dizem que confissão do Irã é primeiro passo e pedem investigação

Boris Johnson fala em apuração internacional completa e Angela Merkel diz que é 'bom que os responsáveis sejam conhecidos'

Redação, O Estado de S.Paulo

11 de janeiro de 2020 | 14h53
Atualizado 11 de janeiro de 2020 | 18h41

REINO UNIDO - Líderes de países europeus e o do Canadá disseram neste sábado, 11, que a confissão do Irã de que derrubou por engano o avião de passageiros da Ukraine Airlines International (UIA), na quarta-feira, matando as 176 pessoas a bordo, é um primeiro passo e que agora é preciso que haja uma investigação sobre o caso.

O primeiro-ministro Boris Johnson tratou a admissão do Irã  como um "primeiro passo importante" . "Agora precisamos de uma investigação internacional completa, transparente e independente e a repatriação daqueles que morreram", acrescentou o líder conservador em comunicado, acrescentando que o Reino Unido trabalhará com seus parceiros internacionais para esse fim.

As vítimas do voo PS752  foram principalmente iranianos e canadenses, mas também afegãos, britânicos, suecos e ucranianos.

A chanceler alemã Angela Merkel afirmou que a confissão iraniana foi um passo importante e exigiu uma investigação completa.   

"O reconhecimento do Irã de que acidentalmente derrubou um avião de passageiros ucraniano foi um passo positivo", disse. 

Merkel afirmou ainda que "é bom que os responsáveis sejam conhecidos". "Tudo tem que ser feito agora para encontrar uma solução que atenda os países de onde vieram os passageiros". 

Ela afirmou que é o importante agora é que tudo seja feito para investigar o incidente, que matou "176 pessoas inocentes"

"Hoje foi dado um passo importante", disse ela em entrevista coletiva após conversas com o presidente russo Vladimir Putin no Kremlin.

Já o primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, disse que uma prestação de contas é necessária depois que o Irã admitir que derrubou acidentalmente um avião ucraniano. 

O premiê também exigiu "transparência e Justiça para as famílias e entes queridos das vítimas", dos quais muitos eram cidadãos canadenses. 

"Esta é uma tragédia nacional, e todos os canadenses estão de luto juntos", disse o gabinete de Trudeau em comunicado.

Para Entender

Guia visual para entender a crise entre Irã e Estados Unidos

Desde o ataque um navio petroleiro em junho de 2019, país do Oriente Médio e Estados Unidos vivem escalada de tensão

Irã

O presidente do Irã, Hassan Rohani, prometeu a seu colega ucraniano "levar à justiça" os responsáveis pela catástrofe do avião da Ucrânia derrubado por um míssil iraniano, anunciou a presidência do país europeu neste sábado, 11. 

Rohani "garantiu que todos os envolvidos no desastre aéreo serão levados à justiça", numa conversa por telefone com o chefe de estado ucraniano, Volodmir Zelenski, segundo o serviço de imprensa deste último.

Irã "reconhece plenamente que a tragédia ocorreu por causa do erro militar", acrescentou a presidência.

Zelenski pediu a Teerã que permita a repatriação dos corpos das 11 vítimas ucranianas "até 19 de janeiro", disse a nota.

Além disso, anunciou o envio pela diplomacia ucraniana de uma nota que lista as medidas a serem tomadas para "resolver a questão das indenizações".  / AFP e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.