Líderes mundiais lamentam morte de presidente polonês

Líderes mundiais lamentam morte de presidente polonês

Além de governos de diversos países, Papa Bento XVI, ONU e Otan expressam suas condolências

EQUIPE AE, Agência Estado

10 de abril de 2010 | 11h44

Líderes mundiais enviaram condolências à população polonesa pela morte do presidente do país, Lech Kaczynski, em um acidente no oeste da Rússia, quando o avião em que viajava caiu com sua comitiva. Eles iriam participar das cerimônias em memória dos 70 anos do massacre de 22 mil poloneses em Katyn por agentes soviéticos. O presidente russo, Dmitry Medvedev, enviou condolências e prometeu trabalhar com a Polônia na investigação do acidente, que matou um total de 97 pessoas, segundo informações recentes do ministro de Situações de Emergência, Sergei Shoigu.

Rússia

"A Rússia partilha do pesar e luto na Polônia", disse Medvedev, declarando também luto na segunda-feira na Rússia. "Por favor, aceitem minhas mais sinceras condolências ao povo polonês, palavras de compaixão e apoio aos familiares e amigos do que pereceram". Medvedev deve fazer um comunicado ao povo polonês pela TV em duas horas, segundo a porta-voz do Kremlin, Natalya Timakova.

O porta-voz do Departamento do Estado dos Estados Unidos, Philip Crowley, disse em nota que "esta é uma horrível tragédia para a Polônia". "Estendemos ao povo da Polônia nossas mais profundas condolências", diz a nota.

As relações polonesas com a Rússia vêm melhorando após ficarem contaminadas por décadas pelo massacre de Katyn. A Rússia nunca pediu formalmente desculpas à Polônia, mas a decisão do presidente russo, Vladimir Putin, de comparecer à cerimônia no início desta semana foi considerada um gesto de reconciliação. A Polônia, uma nação de 38 milhões de pessoas, é a maior entre os dez países anteriormente comunistas que entraram na União Europeia nos últimos anos. Desde a queda do comunismo, o país tornou-se um forte aliado dos Estados Unidos.

Reino Unido

O primeiro-ministro do Reino Unido, Gordon Brown, interrompeu sua campanha na Escócia para prestar homenagem ao presidente polonês morto. "Acredito que todo o mundo está triste e em luto com a morte trágica em um acidente aéreo do presidente Kaczynski e sua esposa Maria e de todos que os acompanhavam", disse. "Sabemos das dificuldades que a Polônia passou e os sacrifícios que ele fez como participante do movimento Solidariedade". "Sabemos da contribuição prestada para a independência e liberdade da Polônia", acrescentou.

O líder do Partido Conservador do Reino Unido, David Cameron, de oposição a Brown, também expressou suas condolências dizendo ser "um dia negro para a Polônia". "Conheci o presidente Kaczynski pessoalmente. Ele era um cidadão polonês muito corajoso, que lutou pela liberdade. Ele sofreu durante o comunismo e sempre manteve-se fiel a suas convicções. É uma grande perda. É um dia muito negro para a Polônia e devemos pensar em todos os que estão sofrendo", afirmou Cameron.

Alemanha

A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, disse estar "profundamente consternada pelo acidente e morte do presidente polonês". O presidente da França, Nicolas Sarkozy, disse em nota que "Lech Kaczynski devotou sua vida para seu país. Um defensor incansável das ideias nas quais acreditava, ele sempre batalhou com convicção pelos valores que permitiram sua entrada na política: democracia, liberdade e a luta contra o totalitarismo".

França

 

O presidente francês, Nicolas Sarkozy destacou o "ardente patriotismo" e toda sua trajetória dedicada "à causa da Polônia".

 

O chefe de Estado francês expressou sua "profunda tristeza" pelo falecimento de Kaczynski e transmitiu suas mais sinceras condolências à família do presidente polonês e a de todas as demais pessoas que perderam a vida no acidente.

 

Destacou o fato de que seu colega polonês "consagrou sua vida a seu país" impulsionado por "um patriotismo ardente". "Sua eleição à Presidência da República em 2005 coroou uma carreira inteira dedicada à causa da Polônia. Com sua morte, a França perde um amigo", um "defensor incansável das ideias nas quais acredita" que sempre lutou por democracia, liberdade e contra o totalitarismo, acrescenta.

 

Estados Unidos

 

Os Estados Unidos expressaram suas condolências à Polônia pela "terrível tragédia". "É uma terrível tragédia para a Polônia. Enviamos nossas sinceras condolências ao povo polonês", declarou em um comunicado oficial, Philip Crowley, porta-voz da diplomacia americana.

 

Vaticano

 

O papa Bento XVI expressou hoje sua "profunda dor" pela morte neste sábado do presidente da Polônia, Lech Kaczynski. Em um telegrama de condolências enviado ao titular do Parlamento polonês, Bronislaw Komorowski, divulgado pelo Vaticano, Bento XVI expressa suas condolências e a proximidade a todos os poloneses pela morte de seu chefe de Estado.

 

"É com profunda dor que recebi a notícia da trágica morte do senhor presidente Lech Kaczynski, de sua mulher e das pessoas que o acompanhavam em viagem a Katyn", comenta o papa. No texto, o Pontífice afirma que confia a todas as vítimas de "este dramático acidente" a "bondade de Deus misericordioso" para que os acolha em sua glória.

"Às famílias dos mortos e a todos os poloneses, apresento minhas sinceras condolências, minha proximidade espiritual. Neste difícil momento

imploro pelo povo polonês com uma bênção especial de Deus onipotente", conclui o papa

 

Nações Unidas

 

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, destacou a"convicção" de Kaczynski na hora de governar.

 

Ban, segundo um comunicado divulgado hoje por seu porta-voz em Nações Unidas, expressou sua "comoção" pelo acidente aéreo em Smolensk. "Em nome das Nações Unidas, o secretário-geral expressa suas mais profundas condolências ao povo e ao Governo da Polônia, assim como às famílias dos mortos", disse o porta-voz de Ban, Martin Nesirky.

 

Acrescentou que para o principal responsável das Nações Unidas, "o presidente Kaczynski serviu a seu país e a seu povo com distinção e convicção, e mereceu o respeito internacional".

Otan

O secretário-geral da Organização para o Tratado do Atlântico Norte (Otan), Anders Fogh Rasmussen, afirmou que "em nome da Otan, e em meu nome pessoalmente, expresso minhas mais profundas condolências para o povo da Polônia e para os familiares do presidente e de sua esposa e de todos os que morreram nesse terrível acidente. Esta é uma tragédia para eles e para a Polônia. Meus pensamentos estão com eles hoje". As informações são da Dow Jones e da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
RússiaacidenteaviãoPolônia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.