Alexei Nikolsky/RIA-Novosti/AP
Alexei Nikolsky/RIA-Novosti/AP

Líderes mundiais prestam homenagem às vítimas do genocídio armênio

Presidentes de França e Rússia participam de ato na capital da Armênia na celebração dos 100 anos do massacre pelo Império Otomano

O Estado de S. Paulo

24 de abril de 2015 | 09h00

YEREVAN - Líderes mundiais, como o presidente da Rússia, Vladimir Putin, e o da França, François Hollande, participam da cerimônia que lembra o centenário do genocídio armênio nesta sexta-feira, 24, em Yerevan, que começou com um minuto de silêncio pelo 1,5 milhão de vítimas que morreram nas mãos do Império Otomano.

Na sua chegada a Tsitsernakaberd, nos arredores da capital da Armênia, Putin e Hollande foram recebidos pelo presidente do país, Serj Sargsyan, na avenida que leva ao complexo onde arde a chama eterna em homenagem às vítimas do fato considerado pelo Papa Francisco como "o primeiro genocídio do século 20".


O presidente da Armênia destacou que "o ocorrido em 1915 não teve precedentes nem por sua magnitude, nem por suas consequências" e acrescentou que o genocídio é "uma ferida ainda aberta porque há no mundo a negação".

Antes da cerimônia oficial no complexo localizado em uma colina aos arredores de Yerevan, os líderes e diplomatas convidados para o ato visitaram o museu dedicado ao genocídio ocorrido entre 1915 e 1923.

No local, há fotografias feitas há cem anos pelo alemão Armin Vegner, testemunha do massacre quando servia como soldado e médico na Síria durante a 1ª Guerra.

A tradição prevê que os líderes que visitam o memorial do genocídio armênio devem plantar uma árvore como lembrança das vítimas. Além de Putin e Hollande, estão presentes também representantes de governos de outros países, como dos Estados Unidos, Alemanha e Argentina, que enviou o ministro das Relações Exteriores, Héctor Timmerman.

As vítimas foram canonizadas ontem em uma cerimônia solene, na qual também foram proclamadas como mártires da Igreja Apostólica Armênia, a mais antiga do mundo.

Sargsyan pediu nesta semana que o presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, aproveite a data simbólica para normalizar as relações diplomáticas entre os dois países, ou seja, reconhecendo o genocídio e abrindo a fronteira comum.

Sobre o assunto, Putin afirmou que o genocídio armênio "é um dos eventos mais terríveis e dramáticos na história da humanidade" e ressaltou que o extermínio por motivos étnicos não pode ser justificado. 

Para Hollande, o genocídio dos armênios é algo que será sempre lembrado pela humanidade. "Nunca esqueceremos da tragédia pela qual seu povo passou", afirmou o líder francês. 

Os armênios acusam as autoridades otomanas de planejar a aniquilação sistemática da minoria armênia, que teria começado simbolicamente em 24 de abril de 1915 com a detenção de várias centenas de intelectuais em Constantinopla, capital do império.

A Turquia também homenageará os "armênios otomanos" mortos há mais de 100 anos, mas Erdogan nega categoricamente que essas mortes possam ser consideradas como genocídio, já que durante a disputa da 1ª Guerra muitos muçulmanos também perderam a vida. 

"Nós respeitamos a dor experimentada pelos nossos irmãos armênios", afirmou Volkan Bozkir, ministro responsável pelas relações entre Turquia e a União Europeia durante ato em Istambul. / EFE e AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.