Líderes mundiais se 'beijam' em campanha publicitária pela paz

Montagens da marca italiana Benetton visam a criação de 'nova cultura de tolerância' no mundo

estadão.com.br

16 de novembro de 2011 | 16h59

Atualizado às 19h30 para acréscimo de informação

 

 

ROMA - O grupo italiano de moda Benneton lançou uma polêmica campanha pela paz que exibe fotos de líderes mundiais rivais se beijando. As montagens têm o objetivo de estimular uma cultura sem ódio em todo o mundo, segundo a marca.

 

As imagens fazem parte da campanha Unhate ("Não odeie", em tradução livre), que visa "a contribuição para a criação de uma nova cultura de tolerância e o combate ao ódio", conforme afirma o site da marca.

 

Nas fotos, exibidas em cidades de todo o mundo, líderes como o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, aparece beijando o presidente da China, Hu Jintao. Em outra imagem, o americano está com o venezuelano Hugo Chávez, um de seus críticos mais ferrenhos.

 

Benjamin Netanyahu, primeiro-ministro de Israel, e Mahmoud Abbas, presidente da Autoridade Palestina (AP), líderes que estão à frente de uma das questões mais latentes da política internacional, também protagonizam um beijo em outra imagem.

 

Líderes religiosos, como o papa Bento XVI e Ahmed Mohamed el-Tayeb, imã da mesquita de Al-Azhar, no Cairo, são outras figuras retratadas.

 

A foto, aliás, despetou a ira do Vaticano e teve de ser retirada pela Benetton. A fabricante disse em comunicado que sente que "o uso da imagem tenha ferido tanto a sensibilidade dos fiéis. O objetivo dessa campanha era apenas combater a cultura do ódio em todas as suas formas".

 

O Vaticano se disse ultrajado com a campanha e a condenou em termos fortes. "Isso mostra uma grave falta de respeito pelo papa, uma ofensa aos sentimentos dos fiéis e uma clara demonstração de como a publicidade pode violar as regras básicas do respeito às pessoas", disse mais cedo o porta-voz do Vaticano, o reverendo Federico Lombardi, à agência France Presse (AFP).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.