DANIEL LEAL-OLIVAS / AFP
DANIEL LEAL-OLIVAS / AFP

Líderes políticos são cobrados por adesão a distanciamento social na pandemia

Do Reino Unido a Holanda, passando por Irlanda e Estados Unidos, autoridades são 'vigiadas' e cobradas para respeitarem medidas impostas por seus países

Redação, O Estado de S.Paulo

26 de maio de 2020 | 11h26

À medida que as principais autoridades revisitam sua resposta à pandemia de coronavírus em constante mutação, estão sob crescente escrutínio, não apenas por suas abordagens políticas mais amplas, mas também por sua disposição pessoal - ou não - de cumprir as restrições impostas.

No Reino Unido, a aparente violação das regras do lockdown por Dominic Cummings, assessor do primeiro-ministro Boris Johnson, provocou uma tempestade política. Cummings realizou uma entrevista coletiva na segunda-feira para confirmar os relatos de que viajou por mais de 400 quilômetros de sua casa com sua esposa e filho durante o bloqueio, mas recusou-se a pedir desculpas. Johnson o defendeu.

A questão abriu uma crise no Partido Conservador, com pelo menos 20 parlamentares condenando Cummings e um ministro do governo renunciando ao cargo na terça-feira em protesto.

No início deste mês, Neil Ferguson, um epidemiologista que estava assessorando o governo britânico, deixou o cargo depois que foi revelado que ele havia quebrado as regras de bloqueio para encontrar sua amante casada.

O governo polonês teve que se desculpar na semana passada depois que o primeiro-ministro Mateusz Morawiecki publicou fotos de si mesmo sentado em uma refeição com três colegas em um restaurante recentemente reaberto e incentivou outros a visitarem estabelecimentos locais. Os observadores logo apontaram que ele não estava observando o distanciamento social necessário.

Leo Varadkar, primeiro-ministro interino da Irlanda, foi alvo de alguns tablóides e críticos nas mídias sociais e acusado de violar as regras de bloqueio de seu país ao fazer um piquenique em um parque de Dublin no fim de semana com amigos.

Mas o governo rejeitou as alegações de que Varadkar, que reativou seu registro como médico para ajudar na resposta ao coronavírus, havia violado as regras. O passeio de Varadkar estava dentro do limite de cinco quilômetros de onde ele vive e foram observadas regras de distanciamento social. 

Outros líderes mantiveram estritamente as regras de bloqueio, apesar das difíceis circunstâncias pessoais. O primeiro-ministro Mark Rutte, da Holanda, não visitou sua mãe doente porque obedeceu às restrições impostas, apesar de poder vê-la em sua última noite, de acordo com a prática holandesa.

Nos Estados Unidos, o candidato democrata Joe Biden saiu para sua primeira aparição pública em meses na segunda-feira, vestindo uma máscara. Isso contrastou visualmente com o presidente Trump, que participou das comemorações do Memorial Day sem.

Biden, de 77 anos, e seus conselheiros disseram que pretendem cumprir as recomendações de segurança que até agora tornaram impossíveis manifestações e outros eventos de campanha. / The New York Times 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.