Líderes religiosos e ativistas são presos em protesto em Missouri

Manifestantes criticavam a ação violenta da polícia de Ferguson, envolvida no assassinato de dois jovens negros

FERGUSON, EUA , O Estado de S.Paulo

14 de outubro de 2014 | 02h00

Dezenas de manifestantes, entre eles líderes religiosos e o proeminente ativista Cornel West, foram detidos ontem pela polícia da cidade americana de Ferguson, em meio aos protestos contra as mortes de jovens negros por policiais brancos no Estado de Missouri.

As demonstrações cresceram no fim de semana, com a concentração de milhares de manifestantes nas cidades do Condado de Saint Louis, onde fica Ferguson. A região tem sido cenário de protestos de ativistas dos direitos civis que questionam a conduta policial em relação aos cidadãos negros, especialmente nos casos da morte de Michael Brown, em agosto, e de Vonderrit D. Myers, na semana passada, ambos de 18 anos.

Ontem, pelo menos 17 pessoas foram detidas. Dizendo que queriam se reunir com policiais dentro do Departamento de Polícia de Ferguson, elas ultrapassaram uma linha delimitada pelos agentes para que não se aproximassem do prédio. Elas diziam que estavam prontas para ser presas se não fossem atendidas.

Entre os detidos estava o ativista e escritor Cornel West. "Nós estamos aqui porque amamos os jovens", afirmava ele, durante o protesto. Ao seu lado, vários líderes de diferentes denominações também ultrapassaram a linha e esperaram pela polícia. "Vamos tomar suas confissões (da polícia) e rezar por vocês", diziam. Ao mesmo tempo, a multidão de manifestantes gritava palavras de ordem como "a vida de um negro é importante" e "todas as vidas são importantes".

Milhares de manifestantes fizeram passeatas, vigílias e outras manifestações na região no fim de semana. Eles saíram de Massachusetts, Virgínia, Nova York, Louisiana e outras partes dos EUA para se unir aos protestos. / NYT e REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
MissouriracismoEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.