Líderes religiosos iraquianos prometem unidade

Líderes religiosos iraquianos prometeram deixar de lado suas diferenças e trabalhar em conjunto pela reconstrução do Iraque. Cerca de 60 religiosos anunciaram, num comunicado conjunto, que estão determinados a fortalecer a cooperação religiosa no Iraque pós-guerra. Participaram do encontro de dois dias representantes dos muçulmanos xiitas e sunitas e da minoria cristã.Organizado pela Conferência Mundial sobre Religião e Paz (WCRP, por sua sigla em inglês), baseada em Nova York, o encontro, "Rejeitando a Violência e Promovendo a Paz com Justiça", teve como anfitrião o príncipe Hassan, tio do rei Abdullah II, da Jordânia."É amplamente reconhecido que a guerra no Iraque não foi religiosa mas, no mundo de hoje, conflitos podem servir de estímulo para novos choques entre religiões", advertiu William Vendley, secretário-geral da WCRP, em conversa com jornalistas após o encontro. "Os líderes religiosos iraquianos em Bagdá e em todo o Iraque pediram pessoalmente ao príncipe Hassan para representá-los em todos os campos relevantes: internacional, político, religioso e social", relatou Vendley. Depois de receber o pedido, o príncipe Hassan negou ter qualquer intenção de governar o Iraque. No começo do ano, em todo o mundo árabe, houve rumores de que Hassan - antigo herdeiro do trono jordaniano - era o mais forte candidato a restaurar a dinastia hashemita no Iraque, onde seu primo, Faiçal II, reinou durante parte da década de 50.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.