Líderes turco e iraquiano discutem questão curda

O problema dos curdos, tanto para o governo de Ancara como para o de Bagdá, centralizou nesta quinta-feira, 16, as conversas entre os primeiros-ministros turco, Recep Tayyip Erdogan, e iraquiano, Nouri al-Maliki. Erdogan disse na entrevista coletiva conjunta que a Turquia está disposta a fazer o possível para ajudar o Iraque a conservar "sua integridade política e sua unidade territorial", em referência ao medo turco de que os curdos do Iraque se separem do governo central e isto tenha um "efeito dominó" nos curdos da Turquia. O primeiro-ministro turco não esqueceu de repetir o pedido para que as autoridades iraquianas exerçam um controle mais efetivo sobre seu território e concretamente impeçam as atividades do Partido de Trabalhadores do Curdistão (PKK) que possam ser realizadas contra o território turco. Maliki disse que "não permitiremos que o território iraquiano seja utilizado para atacar nossos vizinhos. Nossa constituição diz que o Iraque não pode ser usado para atividades que prejudiquem nossos vizinhos". De forma indireta, Erdogan condicionou uma futura atividade econômica a ações efetivas de Bagdá contra o PKK: "A cooperação neste terreno abrirá a via à cooperação no âmbito econômico", disse. A região de Kirkuk, muito rica em petróleo e que os curdos iraquianos querem incorporar a sua atual autonomia, algo negado pela população árabe e turcomana, ocupou grande parte da conversa entre ambos os líderes. Sobre a reivindicação curda de dispor de mais recursos advindos do petróleo, Maliki disse: "A receita do petróleo deve ser distribuída de forma justa entre todo o povo iraquiano. É injusto que uns grupos obtenham mais que outros." Erdogan repetiu que seu país sente pena "pela morte diária de 50 a 60 pessoas desde que começou a guerra. Queremos é um país de estabilidade", afirmou. Maliki disse a respeito que os problemas de segurança sofridos pelo Iraque requerem a cooperação de "todos os vizinhos, assim como da reconciliação interna dos diferentes grupos no Iraque". Mas Erdogan deixou claro de novo a condição das ajudas de seu país: A Turquia ajudará o Iraque "sempre e quando o povo iraquiano preservar sua integridade e sua unidade". No terreno mais prático, os dois governantes estudaram a próxima abertura de dois novos postos fronteiriços entre os países para reativar o comércio bilateral.

Agencia Estado,

16 Novembro 2006 | 16h55

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.